Clique aqui para navergar no Website
 
     
Animal Manager - O site de tecnologia animal - Cães, Gatos, Aves, Peixes, Cavalos, Roedores e muito mais...
INFORMAÇÃO CRIADOR ON-LINE
REGULAMENTOS
  Painel de Controle Cadastre-se Índice Atualizar Voltar  
Atualizado em outubro de 2007 - fonte CBKC
REGULAMENTO DE CAMPEONATO INTERNACIONAL (R.C.I.)

(Em vigor a partir de 1 de janeiro de 1995.)

Procedimentos Gerais

Campeonato Mundial

Classe 1 Competição Internacional (R.C.I. 1)
Classe 3 Competição Internacional (R.C.I. 2)
Classe 3 Competição Internacional (R.C.I. 3)

SUMÁRIO

I. Disposições Gerais

Competição de Acordo com R.C.I.
R.C.I. Competição Classe 3 com Atribuição de CACIT
Graduações
Teste de Caráter
Inscrição
Pontos e Graduações
Comportamento Geral do Competidor
Conduzindo o Cão à Direita
Deveres do Superintendente da Competição

II. Campeonato Mundial

1. Organização
2. Inscrição
3. Caderneta de Trabalho
4. Árbitro
5. Diplomas (Certificados)
6. Prêmio de Honra
7. Superintendente da Competição
8. Horário de Início das Seções
9. Trabalho de Pista
10. Exercícios de Obediência e Defesa 11. Comportamento Geral do Condutor
12. Cobertura de Seguro
13. Material Impresso
14. CACIT

III. Regulamento para Competições Internacionais, Classe 1 (R.C.I. 1)

Seção A - Faro
Seção B - Obediência
Seção C - Defesa

IV. Regulamento para Competições Internacionais, Classe 2 (R.C.I. 2)

Seção A - Faro
Seção B - Obediência
Seção C - Defesa

V. Regulamento para Competições Internacionais, Classe 3 (R.C.I. 3)

Seção A - Faro
Seção B - Obediência
Seção C - Defesa

VI. Aplicação ao R.C.I.

Diagramas de obediência Classe 3
Disposições/Tabela comparativa

VII. Disposições Finais

Disposições Finais


I. Disposições Gerais

1. Competição de Acordo com R.C.I.

As Organizações Cinológicas Nacionais (OCNs) estão convidadas a promover a prática do R.C.I..
O critério de julgamento deverá permanecer dentro do espírito das diretrizes da FCI.
As OCNs poderão dividir a competição em duas partes:

a) Faro.
b) Obediência com Defesa.

Neste caso, o CACIT não poderá ser disputado na competição.

2. R.C.I. Competição Classe 3 com Atribuição de CACIT

As Organizações Cinológicas Nacionais (OCNs) estão convidadas a organizar Competições R.C.I. com disputa de CACIT. Para isto, deverão fazer um requerimento à FCI e convidar outros países membros para participar. Estas competições deverão ser julgadas por dois Árbitros, no mínimo. Nos eventos que estiverem inscritos participantes estrangeiros, pelo menos um dos Árbitros deverá ter nacionalidade diferente da do país organizador do evento.

3. Graduações

As Competições Internacionais serão graduadas como se segue:
- Competição Internacional Classe 1 (R.C.I. 1)
- Competição Internacional Classe 2 (R.C.I. 2)
- Competição Internacional Classe 3 (R.C.I. 3)

4. Teste de Caráter

I. Generalidades:

1. Antes da admissão numa competição de acordo com R.C.I. (R.C.I. 1-3), todos os cães inscritos deverão submeter-se a um teste prévio de caráter.

2. A verificação da tatuagem é parte integrante do teste de caráter.

3. O teste de caráter é quesito eliminatório. Os cães reprovados no teste de caráter não poderão participar do restante da competição.

4. O caráter será avaliado continuamente no decurso de toda a competição. Se algum cão apresentar falhas de caráter durante a competição, mesmo após de ter sido aprovado no teste de caráter, o Árbitro poderá, a qualquer momento, exclui-lo das provas.

II. Procedimento no teste de caráter:

1. O teste deverá ser realizado num ambiente de condições normais e num lugar neutro para o cão (ex.: Campo de Faro).

2. Todos os cães inscritos deverão apresentar-se, individualmente, ao Árbitro.

3. O cão deverá ser apresentado com uma coleira e atrelado à uma guia do tipo comum (*). Essa guia não poderá permanecer esticada.

4. O Árbitro deverá aproximar-se, a passo normal, do cão a ser examinado. É proibida qualquer influência objetivando excitar o cão. É permitido, contudo, tocar o cão após consulta prévia ao condutor.

5. O cão deverá manter uma atitude neutra quando o Árbitro se aproximar ou estabelecer contato direto, bem como quando o número da tatuagem estiver sendo verificado.

(*) Guia de couro, com aproximadamente 1.20 m de comprimento e mosquetão de gancho. O colar ou coleira deverá ser do tipo enforcador de corrente. uma carrana (enforcador com grampos ou espinhos) está terminantemente proibida.

III . Avaliação:

a) comportamento positivo do cão:
consciência do seu mérito, autoconfiança, atenção, repleto de espontaneidade no temperamento.
b) indesejável porém ainda aceitável:
instabilidade leve, excitação leve, falta de confiança limitada. Esses cães poderão ser admitidos mas deverão ser mantidos sob atenta observação durante todo o transcurso da competição.
c) comportamento negativo do cão:
falta de autoconfiança, medroso brigão, muito agressivo.
Cães que demonstrarem este comportamento serão excluídos da competição.

5. Inscrição

As idades para inscrição estão fixadas abaixo:

- R.C.I. 1 = 18 meses,
- R.C.I. 2 = 19 meses,
- R.C.I. 3 = 20 meses.

O número limite, por dia, é de 10 cães concorrentes, para um só Árbitro. No evento em que o número de inscritos exceder este limite, a superintendência deverá estabelecer o horário para um dia e meio, para dois dias de julgamento, ou indicar Árbitros adicionais.
O número mínimo de participantes numa competição será determinado por cada OCN.
Cada cão somente poderá participar em uma graduação, por evento. O cão que obtiver uma graduação 1 ou 2, com certificado, somente poderá galgar uma classe mais graduada após cumprir uma carência de quatro semanas. uma vez atingida a Classe 3, nenhuma carência será imposta para continuar a inscrever-se em competições.
O cão que tiver ganho o certificado com nível Excelente por três vezes, numa determinada graduação ou classe, no ano seguinte somente poderá inscrever-se numa classe mais graduada.
Durante um mesmo evento e na mesmo data, nenhum condutor poderá apresentar-se e participar em duas competições de clubes ou associações diferentes.
Só cães em bom estado de saúde poderão participar das competições.
Cães agressivos ou medrosos deverão ser descartados pelo Árbitro.
Qualquer raça canina poderá participar em competições R.C.I..

6. Pontos e Graduações

O valor total de cada seção é de l00 pontos. A pontuação máxima por competição é de 300 pontos. Para obter um certificado nos graus l, 2 ou 3, o cão terá que conquistar um mínimo de 70 pontos em cada seção A, B e C.
As seguintes qualificações podem ser obtidas num evento quando um certificado é conferido:

de 0 a 109 pontos = Muito Insuficiente.

de 110 a 219 pontos = Insuficiente.
de 220 a 239 pontos = Suficiente.
de 240 a 269 pontos = Bom.
de 270 a 285 pontos = Muito Bom.
de 286 a 300 pontos = Excelente.

Na eventualidade de uma igualdade de pontos de dois ou mais competidores no resultado geral, os pontos obtidos na seção C serão decisivos para o desempate. Em caso de persistência do empate, os pontos na seção B serão quesitos de desempate.

7. Comportamento Geral do Competidor

Antes do início do certame a caderneta de trabalho, o certificado e todos outros documentos necessários deverão ser entregues ao Superintendente da competição.
Após a chamada, cada condutor deverá apresentar-se em traje esportivo apropriado, com seu cão, corretamente, mantendo uma atitude esportiva, com seu cão sentado com ou sem guia, de acordo com os requisitos da classe e da seção em questão. Em seguida deverá fornecer seu nome e o do seu cão ao Árbitro.
Cada competidor se obriga a seguir integralmente as ordens, regras e instruções dadas pelo Árbitro e pelo Superintendente. Qualquer desvio deste espírito, qualquer demonstração de malevolência ou qualquer outra falta grave pode resultar na sua exclusão do restante da competição. Uma penalidade é decisão de inteira atribuição do Árbitro. A decisões do Árbitro são absolutas e definitivas e irrevogáveis. Não se admite qualquer recurso.
As vozes de comando poderão ser emitidas na língua do país de origem do condutor.
Durante a prova o cão só poderá usar uma coleira; quando na guia esta última não poderá ser utilizada esticada ou retesada. Coleiras de couro e coleiras de grampo (carrana) estão proibidas. O condutor poderá incentivar o seu cão com carinho ou tapinhas uma só vez após cada exercício.
Ao condutor é não permitido a dar qualquer ajuda a seu cão. Qualquer ajuda será penalizada.

8. Conduzindo o Cão à Direita

Esta norma é aplicável a condutores com problemas físicos que os impossibilite conduzir seus cães à esquerda.

9. Deveres do Superintendente da Competição

Antes da competição, o Superintendente deverá submeter ao Árbitro, convidado pelo o clube ou associação, todos o documentos relevantes confirmando que a homologação do evento está garantida.
O Superintendente da competição é incumbido, pelo Clube Organizador, da tarefa de providenciar um terreno uniforme, suficientemente grande e apropriado para a realização da prova de faro. Ele deverá suprir um número suficiente de marcadores de pista.
Ele deverá providenciar, também, um terreno apropriado para as provas de Obediência e Defesa.
Além do mais ele é responsável pela contratação de um ou dois "figurantes" especialmente selecionados, equipados com a indumentária completa de proteção e todos os objetos, materiais e acessórios necessários para o bom andamento da competição.
O Superintendente da competição deverá providenciar um grupo integrado por, pelo menos, quatro pessoas, que fique à disposição do evento. Deverá providenciar, também, uma planilha completa das provas para o Árbitro. É de sua competência fornecer ao Árbitro as súmulas para marcação dos pontos, cadernetas de trabalho e todos os documentos com todas as informações necessárias. Ele deverá assegurar uma quantidade suficiente de súmulas e verificar a preparação das cadernetas de trabalho e todos o documentos que necessitam ser ratificados pelo o Árbitro.

II. O Campeonato Mundial

1. Organização

Anualmente é organizado um Campeonato Mundial. O vencedor receberá o título de "Campeão Mundial" e o CACIT.
OCNs que desejarem organizar o campeonato devem fazer um requerimento ao Presidente do Departamento de Cães de Utilidade da F.C.I. com dois anos de antecedência da data planejada para o evento, devendo mencionar os seguintes detalhes:

- Nome do OCN,
- Local e data da competição,
- Prazo final para inscrições,
- Nome e endereço do Superintendente da competição,
- Planta da prova no terreno em escala de 1:5000.

O local para uma competição deverá ser estrategicamente escolhido sendo de fácil acesso.
O OCN organizador arca com a exclusiva responsabilidade de tomar todas as providências necessárias para garantir a tranqüilidade do transcurso das provas e requisitar à FCI a atribuição do CACIT uma vez que esteja credenciado para a organização do campeonato. Os OCNs deverão ser convidados a participar no campeonato, com um antecedência mínima de quatro meses antes da data marcada para a competição. A Comissão da FCI de Cães Utilidade designará um representante para fiscalizar as especificações referentes à organização do Campeonato Mundial, remetida aos organizadores, e garantir que sejam cumpridas. Todas as decisões tomadas pela comissão organizadora deverão ser previamente comunicadas ao representante da FCI.
Para supervisionar o trabalho das pistas deverá ser eleito um Árbitro qualificado, de nacionalidade diferente da do país organizador da competição. Suas funções serão as seguintes:

a) participar no reconhecimento e seleção do terreno para os exercícios de faro.
b) supervisionar a marcação das pistas e o sorteio dos lotes no dia da competição.
c) fazer respeitar o horário da apresentação dos competidores.

2. Inscrição

Só cães qualificados pelas OCNs e que obtiveram um certificado na Classe 3 (R.C.I. 3) estão habilitados a tomar parte no Campeonato Mundial ou qualquer Competição na qual o CACIT é disputado.
A atribuição de CACIT é reservada às raças relacionadas na lista de Cães de Utilidade.
Cada condutor deverá a pertencer a uma OCN filiada a FCI. Cada cão deverá ser registrado num Stud Book reconhecido pela F.C.I..
Cada OCN deverá mandar à entidade organizadora todas as inscrições coletadas em seu país, devidamente assinadas, antes do encerramento das inscrições.
Antes do início da competição deverá ser procedido um exame veterinário. Cães doentes, monórquidos e criptórquidos não poderão ser admitidos. As fêmeas no cio poderão ser admitidas sob condição que sejam mantidas isoladas dos outros participantes e concordem em executar as provas de Obediência e Defesa após terminadas as provas de todos os outros cães.
O número máximo de participantes por OCN é seis cães, e o melhor dos três resultados de cada equipe deverá ser levado em consideração para o estabelecimento da avaliação do país.

3. Caderneta de Trabalho

Cada cão deverá ter uma caderneta de trabalho. Essa caderneta deverá ser remetida pelos OCNs, antes da competição, à entidade organizadora.

4. Árbitro

As decisões dos Árbitros são definitivas, irrevogáveis e inapeláveis.
O Júri é composto de 3 Árbitros (1 por seção), de nacionalidades diferentes da do país anfitrião.
A Comissão de Cães Utilidade da FCI indicará para qual seção cada Árbitro será habilitado.
As indicações referentes aos Árbitros habilitados deverão ser descritas no livro de encargos do "Campeonato Mundial".
É incumbência do país organizador providenciar intérpretes familiarizados com a linguagem cinófila para os Árbitros que falem somente as línguas de seus países de origem.

5. Diplomas (certificados)

Condutores a cujos cães foram atribuídos um certificado, deverão receber da Comissão de Cães Utilidade da FCI uma medalha comemorativa livre de despesas. É de incumbência da OCN organizadora o fornecimento à Federação de um relatório completo dos resultados do evento com os nomes dos participantes e respectivos países. A relação deverá começar pelos condutores e cães que tenham recebido certificados, por ordem de classificação. Continuando com os participantes que não obtiveram um certificado, também, na ordem de classificação (pontuação).

6. Prêmio de Honra

No interesse de promover este esporte a nível internacional, é recomendado que cada país (OCN) deveria presentear o país organizador com um "prêmio de honra" a melhorar a reputação do Campeonato Mundial.

7. Superintendente da Competição

A OCN organizadora está incumbida de nomear o Superintendente da competição altamente competente. Suas tarefas deverão incluir:

- reconhecimento, preparação e loteamento de um terreno de tamanho apropriado com a infra-estrutura adequada,
- indicação e preparo de um adequado número de colaboradores (mensageiros, marcadores de pista, "figurantes", secretários etc.),
- preparação das planilhas de pontuação para o Árbitro,
- organização e sorteio dos lotes na tarde anterior à competição para estabelecer o horário de entrada dos condutores,
- preenchimento imediato e preciso da pontuação obtida pelos condutores nas cadernetas de trabalho e nas planilhas de pontuação juntamente com a classificação de maneira que o resultado possa ser rapidamente anunciado.

8. Horário de Início das Seções

Deverá ser estabelecido um horário de modo que cada participante possa saber exatamente quando deverá apresentar-se aos Árbitros em cada seção. Participantes terão cerca de duas horas de intervalo entre duas seções (exceção: fêmeas no cio nas seções B e C).

9. Trabalho de Pista

Todas as instruções relativas aos aspectos técnicos do exercício de Faro (qual deverá ser o tempo de marcação da prova, como a pista será marcada, de que tamanho deverá ser; o número, natureza e tamanho dos objetos, etc.) estão indicados na seção de "Faro com pessoa estranha" em Regulamento R.C.I. 3.
Se uma pista for inutilizada por interferência e não podendo ser usada deverá ser refeita (ex.: se tiver sido de ter sido pisoteada por muitas pessoas ou alterada em conseqüência de trabalho agrícola).

10. Exercícios de Obediência e Defesa

Esses exercícios deveriam ser arbitrados, de preferência, alternadamente no mesmo terreno. O tamanho do terreno para os exercícios de defesa deverá ser em torno 100 m de comprimento e 80 m de largura. Deverá conter seis esconderijos artificiais montados a intervalos irregulares.
O "figurante" deverá estar equipado com um traje de proteção completo (jaqueta e jardineira de couro) que permitam mobilidade normal.

11. Comportamento Geral do Condutor

O comportamento geral do condutor é avaliado durante cada exercício. Comportamento impróprio ao apresentar-se para um exercício ou no intervalo entre exercícios deverá ser penalizado na pontuação do exercício seguinte. Comportamento impróprio no fim de um exercício deverá ser penalizado na pontuação do exercício precedente.

12. Cobertura de Seguro

Os organizadores deverão tomar todas as providências necessárias para garantir que os Árbitros da competição e o pessoal de apoio do evento tenham boa cobertura securitária. Os condutores são responsáveis por eventuais acidentes e danos causados por seus cães, devendo portanto ter um seguro que cubra esses riscos.

13. Material Impresso

O Regulamento para Competições Internacionais (R.C.I.) pode ser obtido pelo OCNs por intermediação da Comissão de Cães de Utilidade da FCI.

14. CACIT

Os requisitos para homologação do título de Campeão Internacional de Trabalho são estabelecidos em regulamentos específicos.

III. Regulamento para Competições Internacionais, Classe 1 (R.C.I. 1)

Seção A - Faro

Pontuação máxima de 100
Comando verbal ‘’Procura’’
- Manutenção da trilha = 80
- 2 objetos (10 + 10) = 20

A trilha será marcada pelo o condutor, com comprimento entre 350 e 400 passos, com 20 minutos de antecedência, no mínimo, com dois objetos e dois ângulos retos. A prova de faro será executada com uma guia de10 metros de comprimento ou sem guia.
A marcação da trilha é supervisionada pelo o Árbitro, em função da localização e da topografia do terreno.
O início da pista deverá ser claramente marcado por meio de uma estaca enterrada no solo do lado esquerdo do ponto de partida.
Ao preparar a trilha o condutor se aproxima por trás, pára à direita da estaca, dirige-se até o campo e permanece um tempo no ponto de partida. Após receber do Árbitro as instruções necessárias ele prossegue a marcação da trilha, perdendo (colocando) na pista, sem mudança de passo, o primeiro objeto no meio caminho ao longo da primeira ou da segunda reta. O segundo objeto será perdido ao fim da trilha. O condutor anda outros poucos passos na mesma direção, voltando para o ponto de partida. O condutor pode executar o exercício de faro com seu cão numa guia de faro ou permitir que o cão fareje sem guia. Ambos métodos são autorizados e serão arbitrados da mesma forma.
O tempo consumido pelo o cão na trilha não poderá exceder a 15 minutos. Após este tempo o Árbitro interromperá o exercício.

Regras de execução

Antes marcar a trilha o condutor deverá mostrar os objetos ao Árbitro. Objetos deverão ser de uso pessoal do seguinte tamanho: 15 cm de comprimento, 5 a 6 cm de largura e 2 a 3 cm de espessura. Os objetos deverão ser entregues ao condutor cerca de 15 minutos antes que ele os "perca" na trilha de faro. Enquanto a pista estiver sendo marcada o cão deverá ser mantido fora do seu campo de visão. Ao "perder" os objetos o condutor não deverá criar "facilidades" ou interferir com o aroma da trilha. Em nenhum momento o marcador de pista poderá parar ou arrastar os pés no solo. Os objetos devem ser colocados sobre a trilha e não ao lado dela.
O condutor vai a seu cão e o prepara para o Faro. Quando chamado, apresenta-se ao Árbitro e declara se o seu cão recolhe ou aponta os objetos. A combinação de ambos métodos (recolher e apontar os objetos) na mesma prova de faro não está autorizada e será penalizada. Por indicação do Árbitro o cão é conduzido devagar e calmamente ao ponto de partida de modo que possa tomar a trilha. O cão não pode ficar sujeito a qualquer forma de coação enquanto estiver sendo preparado para a trilha, ou ser reconduzido à trilha ou durante o Faro. Ao cão deverá ser dado tempo suficiente para encontrar o aroma no início da trilha. É essencial que qualquer pressa ou o instinto de caça durante o trabalho de faro deva ser evitado.
O cão deverá iniciar e encontrar a trilha calma e insistentemente.
Enquanto o cão avança do ponto de partida o condutor fica parado deixando deslizar a guia de faro pelas mãos até que esteja no seu tamanho total. Uma vez desenrolada o condutor segue seu cão, mantendo uma distância de cerca de 10 metros. A mesma distância deverá ser observada quando o cão executa a pista de faro sem guia. Qualquer que seja o método usado o cão deverá trabalhar na pista calmamente, permitindo que o condutor o siga a passo. Tão logo o cão encontre um objeto ele deverá recolhe-lo ou apontá-lo clara e convincentemente sem qualquer interferência do condutor. Se o cão recolhe os objetos lhe é permitido permanecer parado, sentado ou levar o objeto ao seu condutor. Recolher o objeto e permanecer deitado ou seguir em frente segurando o objeto é considerado falta. Se o cão aponta os objetos lhe é permitido faze-lo sentado, parado ou deitado. O condutor deixa cair a guia de faro e vai para junto do cão imediatamente. Ele sinaliza mostrando ao Árbitro o objeto encontrado segurando-o acima de sua cabeça. O cão é então reconduzido à trilha no lugar onde objeto foi encontrado. No fim do exercício os objetos são apresentados ao Árbitro. É permitido aos condutores a aproximar-se dos seus cães após terem recolhido um objeto. Cães que continuam em seus caminhos após recolher um objeto são penalizados. A guia de faro não tem que ficar esticada, poderá permanecer frouxa.
A guia de faro deverá ser atrelada ao arreio de faro do cão ou arreio Böttcher, ou, se o cão não estiver usando qualquer um desses, à sua coleira. Faro sem guia é também permitido.
O uso separado de trelas adicionais é não permitido.
O condutor é livre para decidir como usará a guia. O fato de farejar as estacas que marcam o início da trilha não penaliza o cão.
Se o condutor se afastar da trilha por uma distância maior que o tamanho da guia, o exercício será interrompido.
Se o cão que se afastar da trilha for retido pelo o condutor, o Árbitro deverá ordenar ao condutor que siga seu cão. Se este fato ocorrer novamente, o exercício deverá ser interrompido.

Avaliação

Colocar o cão na pista de maneira incorreta, farejar alto, dar repetidas voltas nos ângulos da trilha, encorajar constantemente, recolher ou apontar de maneira incorreta ou deixar cair objetos são faltas que deverão ser penalizadas com o desconto de quatro pontos cada.
Recolocar o cão na trilha repetidas vezes; farejar longe da trilha; farejar, principalmente, com a trufa alta; farejar de maneira agitada; defecar; caçar em campo de ratos etc. deverá ser penalizado com um desconto de até 8 pontos.
Cada objeto não recolhido ou não apontado de acordo com o método escolhido incorre numa penalidade de até 4 pontos. Cada objeto não encontrado será penalizado com desconto de 10 pontos.
O recolher ou apontar um objeto não declarado pelo marcador da pista incorre numa penalidade de 4 pontos.

Seção B - Obediência

Pontuação máxima de 100.

Cada exercício é iniciado e encerrado na posição básica, assim como cada exercício começa por indicação do Árbitro. Depois, qualquer mudança ou direção, alto, mudança de velocidade etc. são executados sem qualquer indicação do Árbitro. Entretanto, é permitido ao condutor pedir ao Árbitro que dê essas indicações. A mudança do passo de corrida para uma movimentação lenta deverá ser instantânea, sem transição pela movimentação normal.
As conversões à esquerda podem ser executadas em qualquer das duas maneiras conhecidas. O alto deverá ser executado de acordo com o regulamento do R.C.I.. Quando o cão é chamado a partir da posição em frente ao condutor para a posição "junto" ele pode, tanto sentar-se diretamente, como faze-lo após dar a volta por trás do condutor.

1. Andar Junto Com Guia (15 pontos)

Comando verbal "Junto".

Após ouvir o comando "Junto" o cão, usando coleira e guia, deverá deixar a posição básica e seguir alegremente seu condutor.
No início do exercício o condutor com seu cão caminham em linha reta em torno de 40 a 50 passos sem fazer parada alguma. Segue-se uma meia-volta e, após caminhar outros 10 ou 15 passos, eles executam o passo a trote e o passo lento, por uma distância mínima de 10 passos, em cada velocidade. Após o que, executam, a passo normal, no mínimo uma conversão à direita, uma conversão à esquerda e uma meia-volta. O ombro do cão deverá permanecer constantemente alinhado com o joelho esquerdo do condutor. Ele não poderá adiantar, atrasar ou afastar-se lateralmente do condutor. O condutor deverá executar a meia-volta virando para a esquerda. O comando verbal "junto" poderá ser emitido cada vez que o condutor se iniciar a marcha e a cada mudança de velocidade. Quando o condutor pára o cão deverá sentar-se imediatamente sem receber comando algum. Uma vez que o condutor parou não lhe é permitido mudar sua posição para diminuir a distância entre ele e seu cão. Durante o exercícios a guia é mantida na mão esquerda e jamais poderá estar esticada.
Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão passam através de um grupo de, no mínimo, quatro pessoas e param, no mínimo, uma vez dentro do grupo. Os membros do grupo estão em constante movimento. Se o cão se atrasar, se adiantar ou se afastar do condutor será penalizado. O condutor é penalizado, também, quando em atitude hesitante nas mudanças de direção.

2. Andar Junto Sem Guia (20 pontos)

Comando verbal "Junto".

Por indicação do Árbitro o condutor, estando na posição básica, retira a guia e pendura-a a tiracolo ou coloca-a em seu bolso. Feito isto com o cão junto e sem guia retorna ao grupo parando, no mínimo, uma vez. Terminado o exercício de movimentação através do grupo e tendo assumido a posição básica, o resto do exercício de andar junto sem guia é o mesmo que o exercício de andar junto com guia.
Durante o exercício (porém não enquanto passando pelo grupo) são disparados dois tiros (calibre 6-9 mm). O cão deverá permanecer indiferente. Cães medrosos ou assustados devem ser eliminados da competição. Cães que reagem agressivamente mas permanecem sob controle dos seus condutores devem ser apenas penalizados. Só os cães que permanecerem indiferentes aos tiros podem receber o total de pontos.

Regras de execução

Deverá ser dada especial atenção ao comportamento do cão quando os tiros forem disparados. Os tiros serão disparados a uma distância de 15 passos do cão e com intervalo de 5 segundos. Cães que fugirem assustados ao ouvir os tiros deverão ser desqualificados. Se o Árbitro suspeitar que um cão é sensível aos tiros lhe é permitido a disparar quantos tiros extra julgar necessários afim de definir sua opinião. O teste de sensibilidade ao tiro só poderá ser realizado durante o exercícios de "Andar junto sem guia" e "deitar sem guia sob distração".

3. Sentar Durante a Marcha (10 pontos)

Comando verbal "Senta".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após um mínimo de 10 passos, o condutor emite o comando verbal "Senta" e o cão deverá sentar-se imediatamente sem o condutor voltar-se para trás ou mudar sua passada. Após ter completado uns 30 passos o condutor pára e volta-se de frente para o cão. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, permanece de pé à sua direita, assumindo a posição básica. Os cães que em vez de se sentarem deitam-se ou permanecem de pé são penalizados com desconto de até 5 pontos.

4. Deitar Durante a Marcha e Atender à Chamada (10 pontos)

Comandos verbais "Deita", "Aqui" e "Junto".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após um mínimo de 10 passos, o condutor emite o comando verbal "Deita" e o cão deverá deitar-se imediatamente, sem o condutor voltar-se para trás ou mudar sua passada marcha por mais 30 passos. Após ter completado os 30 passos volta-se imediatamente de frente para o cão e permanece de pé parado. Por indicação do Árbitro o condutor chama seu cão. O cão deverá ir de encontro ao condutor rápida e alegremente e, na chegada, sentar-se bem próximo ao condutor e de frente para ele. Ao comando "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica. Os cães que, em resposta ao comando "Deita", adotarem uma posição diferente mas voltarem corretamente quando chamados serão penalizados com desconto de até 5 pontos.

5. Recolher um Objeto Pertencente ao Condutor (10 pontos)

Comandos verbais "Busca", "Larga" e "Junto".

O cão sentado ao lado esquerdo do condutor, sem guia. O condutor arremessa um objeto de uso pessoal a uma distância de cerca de 10 passos. Ao comando verbal "Busca" - emitido uma só vez - o cão deverá dirigir-se alegremente ao objeto, recolhe-lo imediatamente, traze-lo de volta pelo caminho o mais curto possível e sentar-se bem próximo do condutor e de frente para ele. Após uns poucos segundos, em resposta ao comando verbal "Larga", o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica. No lugar de um objeto pessoal o condutor poderá utilizar um haltere. O condutor deverá permanecer na mesma posição básica até o final do exercício.

Avaliação

Cães que deixam cair o objeto, brincam com ele ou mastigam-no são penalizados com desconto de até 4 pontos. Condutores que abandonam a posição básica antes do final do exercício são penalizados com o desconto de até 3 pontos. Se o cão não trouxer o objeto, nenhum ponto pode ser atribuído.

6. Recolher um Objeto, Pertencente ao Condutor, Saltando por Sobre um Obstáculo de 1m de Altura, 1.5 m de Largura Sem Guia (15 pontos )

Comandos verbais "Pula", "Busca", "Larga" e "Junto".

O condutor assume a posição básica, em frente do obstáculo, a uma distância apropriada dele. Seu cão senta-se junto, sem guia. No lugar de um objeto pessoal o condutor pode usar qualquer objeto que o cão possa carregar, para lançar por sobre o obstáculo. O obstáculo deverá ser totalmente construído com galhos flexíveis. Ao receber os comandos verbais "Pula" e "Busca" o cão deverá pular por cima do obstáculo, sem tocá-lo, recolher rapidamente o objeto, pular de volta e sentar bem próximo ao condutor, de frente para ele. Deverá segurar o objeto por alguns segundos e então, em resposta ao comando verbal "Larga", o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica.
O comando verbal "Busca" deverá ser emitido antes que o cão alcance o objeto.

Avaliação

Se o cão tocar levemente o obstáculo, deverá ser penalizado com desconto de até 2 pts.
Para um toque evidente no obstáculo ou apoiar-se nele levemente, a penalidade será de até 3 pts.
Para um evidente apoio no obstáculo, deixar cair o objeto, brincar com ele ou mastigá-lo, penalidade será de até 4 pontos.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto, pular de volta e trazer o objeto sem faltas = 15 pts.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto sem faltas mas, refugar no pulo de volta = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, executar o pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 8 pts.
Pular por sobre o obstáculo na ida, pular o obstáculo na volta mas, não trazer o objeto = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, refugar no pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 0 pts.
Pular por sobre o obstáculo, refugar no pulo de volta e não trazer o objeto = 0 pts.
Se o objeto arremessado pelo o condutor desviar significativamente do curso desejado e cair fora da zona de recolhimento devido a um forte vento de través ou a um arremesso defeituoso, o condutor após receber autorização do Árbitro, pode recolher o objeto e arremessá-lo novamente. Nenhuma penalidade deverá ser aplicada.
Comandos adicionais dados pelo condutor sem mover-se da posição básica devem ser penalizados.
O condutor não poderá abandonar a posição inicial para ajudar ou encorajar seu cão durante os saltos sobre o obstáculo de ida ou de volta, caso aconteça, o desconto total de pontos deverá ser considerado.
O fato do condutor abandonar a sua posição básica e ir até o obstáculo e tocá-lo é considerado como a mais grave das faltas. Nestes casos nenhum ponto poderá ser atribuído quer seja para o salto de ida ou o de volta: o exercício deverá ser considerado nulo. O condutor deverá permanecer na posição básica até que o exercício tenha sido completado (o cão passa por trás para a posição básica, junto).
Se houverem muitos obstáculos, o mesmo obstáculo deverá ser usado por todos o cães inscritos.

7. Mandar em Frente e Deitar sob Comando (10 pontos)

Comandos verbais "Em frente", "Deita" e "Senta"

Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão (sem guia) deixam a posição básica e marcham em linha reta a passo normal. Após uns poucos passos será emitido comando verbal "Em Frente", juntamente com um movimento do braço e a mão de modo que o cão seja mandado em frente, enquanto o condutor permanece no lugar. O cão deverá ir em frente rapidamente, na direção indicada por 25 passos, no mínimo. Então, ao receber o comando verbal "Deita" ele deverá deitar-se imediatamente. O condutor tem o direito a manter seu braço levantado até o cão deitar. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, toma posição à sua direita, emite o comando verbal "Senta", para assumir a posição básica.

Regras de execução

Não é permitido a repetição do comando gestual. O cão deverá caminhar em frente deslocando-se em linha reta. Um leve desvio será tolerado. Desvio amplo, ir em frente por uma distância muito curta, hesitação antes de deitar ou deitar-se antes do comando do condutor e sair da posição quando o condutor aproxima, serão penalizados.

8. Permanência Sem Guia Sob Distração (10 pontos)

Comando verbal "Deita" e "Senta".

Por indicação do Árbitro e imediatamente antes que outro cão inicie sua prova de obediência, o condutor deverá deixar seu cão deitado a uma distância de cerca de 40 passos, mediante o comando "Deita" sem deixar a guia ou qualquer outro objeto perto o cão. Permanecendo ainda dentro do campo visual do cão, o condutor se afasta cerca de 40 passos sem voltar-se para trás, pára e permanece em pé parado e de costas para o cão. O cão deverá permanecer deitado sem qualquer ajuda do condutor até o outro cão terminar os exercícios de 1 a 6. Uma vez completado o exercício 6, o cão deixado em posição deitado sob distração é recolhido pelo seu condutor. Procedimento idêntico ao do exercício 7.

Regras de execução

O lugar onde o cão irá deitar-se sob distração é indicado pelo Árbitro. O condutor, que permanece de pé de costas para seu cão, volta para buscar seu cão quando indicado pelo o Árbitro.
Faltas nas atitudes do condutor, tais como, voltar-se de frente para o cão, mudança de posição quando o condutor se aproxima, fazer gestos etc. serão penalizados.
Cães que sentam ou ficam parados mas não deixam o local estão autorizados a receber pontos.
Cães que abandonam o lugar designado por mais de três metros, antes que o outro cão tenha terminado o exercício 3, não poderão receber qualquer pontuação.
Cães que abandonarem o lugar depois que o outro cão tiver completado o exercício 3 deverá receber pontos.
Cães que abandonarem o seu lugar para encontrar seus condutores quando da sua aproximação serão penalizados com desconto de até 3 pontos.

Seção C - Defesa

Pontuação máxima de 100.

1. Batida Lateral Para Encontrar um Figurante (5 pontos)

O comprimento do terreno é cerca de 100 m e cerca de 80 m largura com seis esconderijos situados ao longo de seu comprimento - três em cada lado. Um "figurante" uniformizado com uma roupa protetora e equipada com uma manga de proteção e uma vara flexível, está posicionado no último esconderijo, fora do campo de visibilidade do cão. O condutor se posiciona com seu cão (sem guia) numa linha imaginária do centro do terreno oposto ao quinto esconderijo. Por indicação do Árbitro, o condutor inicia os exercícios de defesa. Em resposta a breves comandos verbais emitidos pelo condutor em conjunto com movimentos do braço esquerdo ou do direito - que poderão ser repetidos - o cão deverá dirigir-se rapidamente para os esconderijos e revistá-los na ordem designada, contornando por trás deles. O condutor movimenta-se ao longo de uma linha média imaginaria e não deverá abandonar esta linha sob quaisquer circunstâncias enquanto o cão estiver procurando pelo figurante.
Cada vez que o cão completa a revista de um esconderijo o condutor poderá chamá-lo de volta por meio de um breve comando verbal e mandá-lo novamente em outra direção, também por meio de um breve comando verbal. O comando verbal que é usado para chamar de volta o cão pode ser acompanhado pelo seu nome normal. O cão deverá estar à frente do condutor durante todo o tempo. O condutor pára tão logo o cão reviste ao último esconderijo. Nenhum comando verbal posterior é permitido.

2. Confrontação e Latidos (10 + 10 = 20 pontos)

O cão deverá imobilizar o figurante no esconderijo e latir copiosamente, sem pular sobre ele ou morde-lo. Por indicação do Árbitro o condutor se aproxima do seu cão a passo normal. Em resposta a uma indicação posterior do Árbitro o condutor e seu cão deverão assumir a posição básica à distância de um passo do figurante quando o condutor lhe ordena que saia do esconderijo, caminhe e se posicione a cinco passos do esconderijo.

3. Tentativa de Fuga do Figurante (25 pontos).

Por indicação do Árbitro o condutor sai com seu cão, sem guia, do esconderijo e assume posição 5 passos afastado do figurante. Ele deixa o figurante sob a vigilância do cão na posição sentado. O condutor então retorna ao esconderijo.
Por indicação do Árbitro o figurante faz uma tentativa fuga. Em resposta a um simples comando verbal do condutor, o cão deverá agarrar o figurante imediatamente e sem hesitação para evitar que ele fuja. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Após receber um simples comando verbal o cão deverá soltar imediatamente o figurante e mante-lo imóvel com latidos.

4. Defesa do Cão no Trabalho de Guarda (25 pontos).

Enquanto o cão guarda o figurante por cerca de 5 segundos este último, sob comando Árbitro, desfecha um ataque contra o cão. Sem qualquer intervenção do condutor o cão deverá defender-se e imediatamente agarrar firmemente o figurante mordendo-o. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Ao receber um simples e breve comando verbal o cão deverá soltar sua presa imediatamente e manter o figurante com latidos. O condutor então retorna a seu cão e o chama para junto. O figurante não deverá ser desarmado.

5. Ataque Com Cão Solto (25 pontos).

O condutor e seu cão devem assumir posição no meio do terreno, mais ou menos oposta ao terceiro esconderijo. O cão deverá estar na posição básica. O condutor pode segurá-lo pela coleira. Por indicação do Árbitro o figurante, segurando uma vara, surge do sexto esconderijo e caminha em direção ao cão a passo normal. Quando o figurante estiver a cerca de 30 passos do condutor com seu cão parado e sentado junto, o condutor, ao comando do Árbitro. libera seu cão. O condutor não deverá sair de sua posição. O figurante desfecha um ataque frontal ao cão, gritando e provocando o animal com gestos violentos e ameaçadores. O cão deverá defender-se imediatamente atacando o figurante com uma mordida firme.
Assim que o cão o atacou o figurante aplica-lhe duas vergastadas com a vara. Só é permitido bater na região da garupa e coxas, nos flancos e nos ombros. Por indicação do Árbitro o figurante se rende permanecendo imóvel de pé. Após receber um breve e simples comando verbal o cão deverá imediatamente libertar sua presa e, através do latido, imobilizar o figurante. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, desarma o figurante e toma posição, com este cão a escoltar o prisioneiro em marcha lado a lado.
O figurante é então escoltado, por uma distância de cerca de 20 passos, até o Árbitro. Um breve comando verbal pode ser emitido na saída. O condutor caminha à direita do figurante, de maneira que o cão fique posicionado entre eles. Durante o trajeto o cão não deverá sequer pular em cima ou morder o figurante. O grupo faz uma parada diante do Árbitro, a quem o condutor entrega a vara. O figurante sai da quadra. Uma vez que os exercícios foram completados o cão deverá seguir o condutor junto ou permanecer sentado, sem guia, enquanto os resultados são anunciados. Depois disto o condutor sai da quadra com seu cão seguindo junto, sem guia.

Regras de execução

O figurante deverá estar paramentado numa roupa protetora completa (Jaqueta, jardineira e uma manga de proteção).
A vara deverá ser revestida de material macio.
Uma vez que o número de cães inscritos para os exercícios alcance o número de seis, devem ser contratados dois figurantes. Ao segundo caberá a atuar após o quinto exercício.
Circular próximo e atentamente em torno do figurante (incluindo no esconderijo) não constitui uma falta.
Se durante exercício 3 o cão persegue o figurante antes de receber ou sem receber o comando verbal do condutor, o exercício é julgado ‘’insatisfatório."
Se durante exercício 5 o cão abandona seu lugar antes do comando do Árbitro, o exercício é julgado "insatisfatório."
Se durante o exercícios que envolvam mordida o cão falha em liberar sua presa depois que o sinal breve e audível tenha sido emitido por três vezes, o exercício é julgado "insatisfatório."
Se o cão continua falhando ao liberar sua presa após um sinal adicional, que pode ser concedido por indicação do Árbitro a uma distância de 10 passos, os exercícios de defesa são interrompidos.
Se o figurante se vê obrigado a vigiar o cão, ele não é obrigado a permanecer completamente parado. Ele deverá evitar movimentos provocativos e gestos defensivos, devendo proteger seu corpo com a manga de proteção.
Os exercícios defesa são julgados falhos nos seguintes casos:
- Se o cão estiver fora do controle do condutor.
- Se o cão falhar na soltura de sua presa mesmo após quatro comando verbais (incluindo o "tolerado").
- Se o condutor tem que intervir fisicamente para fazer o cão soltar sua presa.
- Se o cão falhar num dos exercícios de "ataque" ou é ludibriado (incluindo durante a fuga sob vigia).
- Se o cão ataca e morde durante uma das fases onde se espera que fique imóvel, de guarda. Ao cão só é permitido a latir no esconderijo e quando está de guarda.

IV. Regulamento para Competições Internacionais Classe 2 (R.C.I. 2)

Seção A - Faro

Pontuação máxima de 100.

Comando verbal "Procura".

- Manutenção da trilha = 80 pontos

- 2 objetos (10 + 10) = 20 pontos

A trilha será marcada por uma pessoa estranha, comprimento de cerca de 600 passos, com uma antecedência mínima de 30 minutos, com dois ângulos retos e dois objetos a serem encontrados.
A prova de faro será executada com uma guia 10 metros de comprimento ou sem guia.
A marcação da trilha é supervisionada pelo o Árbitro, em função da localização e da topografia do terreno.
O início da trilha deverá ser claramente marcado por meio de uma estaca enterrada no solo à esquerda do ponto de partida.
Ao preparar a trilha o condutor se aproxima por trás, pára à direita da estaca, dirige-se até o campo e permanece um tempo no ponto de partida. Após receber as necessárias instruções do Árbitro ele procede a marcação da trilha, "perdendo" o primeiro objeto, sem mudança de passada, na metade do comprimento da segunda reta (a meio caminho entre o primeiro e segundo ângulo reto). O segundo objeto será perdido no final da trilha. O marcador de pista continua caminhando outros poucos passos na mesma direção antes abandonar a trilha. O condutor pode executar o exercício de faro com seu cão numa guia de faro ou permitir que o cão fareje sem guia. Ambos métodos são autorizados e serão arbitrados da mesma forma.
O tempo consumido pelo o cão na trilha não poderá exceder a 15 minutos. Após este tempo o Árbitro interromperá o exercício.

Regras de execução

Antes marcar a trilha o condutor deverá mostrar os objetos ao Árbitro. Objetos deverão ser de uso pessoal do seguinte tamanho: 15 cm de comprimento, 5 a 6 cm de largura e 2 a 3 cm de espessura. Os objetos deverão ser entregues ao condutor cerca de meia hora antes que ele os "perca" na trilha de faro.
Enquanto a pista estiver sendo marcada o cão deverá ser mantido fora do seu campo de visão. Ao "perder" os objetos o condutor não deverá criar "facilidades" ou interferir com o aroma da trilha. Em nenhum momento o marcador de pista poderá parar ou arrastar os pés no solo. Os objetos devem ser colocados sobre a trilha e não ao lado dela.
O condutor vai a seu cão e o prepara para o Faro. Quando chamado, apresenta-se ao Árbitro e declara se o seu cão recolhe ou aponta os objetos. A combinação de ambos métodos (recolher e apontar os objetos) na mesma prova de faro não está autorizada e será penalizada.
Por indicação do Árbitro o cão é conduzido devagar e calmamente ao ponto de partida de modo que possa tomar a trilha. O cão não pode ficar sujeito a qualquer forma de coação enquanto estiver sendo preparado para a trilha, ou ser reconduzido à trilha ou durante o Faro. Ao cão deverá ser dado tempo suficiente para encontrar o aroma no início da trilha. É essencial que qualquer pressa ou o instinto de caça durante o trabalho de faro deva ser evitado.
O cão deverá iniciar e encontrar a trilha calma e insistentemente.
Enquanto o cão avança do ponto de partida o condutor fica parado deixando deslizar a guia de faro pelas mãos até que esteja no seu tamanho total. Uma vez desenrolada o condutor segue seu cão, mantendo uma distância de cerca de 10 metros. A mesma distância deverá ser observada quando o cão executa a pista de faro sem guia. Qualquer que seja o método usado o cão deverá trabalhar na pista calmamente, permitindo que o condutor o siga a passo. Tão logo o cão encontre um objeto ele deverá recolhe-lo ou apontá-lo clara e convincentemente sem qualquer interferência do condutor.
Se o cão recolhe os objetos lhe é permitido permanecer parado, sentado ou levar o objeto ao seu condutor. Recolher o objeto e permanecer deitado ou seguir em frente segurando o objeto é considerado falta. Se o cão aponta os objetos lhe é permitido faze-lo sentado, parado ou deitado. O condutor deixa cair a guia de faro e vai para junto do cão imediatamente. Ele sinaliza mostrando ao Árbitro o objeto encontrado segurando-o acima de sua cabeça. O cão é então reconduzido à trilha no lugar onde objeto foi encontrado. No fim do exercício os objetos são apresentados ao Árbitro. É permitido aos condutores a aproximar-se dos seus cães após terem recolhido um objeto. Cães que continuam em seus caminhos após recolher um objeto são penalizados. A guia de faro não tem que ficar esticada, poderá permanecer frouxa.
A guia de faro deverá ser atrelada ao arreio de faro do cão ou arreio Böttcher, ou, se o cão não estiver usando qualquer um desses, à sua coleira. Faro sem guia é também permitido.
O uso separado de trelas adicionais é não permitido.
O condutor é livre para decidir como usará a guia. O fato de farejar as estacas que marcam o início da trilha não penaliza o cão.
Se o condutor se afastar da trilha por uma distância maior que o tamanho da guia, o exercício será interrompido.
Se o cão que se afastar da trilha for retido pelo o condutor, o Árbitro deverá ordenar ao condutor que siga seu cão. Se este fato ocorrer novamente, o exercício deverá ser interrompido.

Avaliação

Colocar o cão na pista de maneira incorreta, farejar alto, dar repetidas voltas nos ângulos da trilha, encorajar constantemente, recolher ou apontar de maneira incorreta ou deixar cair objetos são faltas que deverão ser penalizadas com o desconto de quatro pontos cada.
Recolocar o cão na trilha repetidas vezes; farejar longe da trilha; farejar, principalmente, com a trufa alta; farejar de maneira agitada; defecar; caçar em campo de ratos etc. deverá ser penalizado com um desconto de até 8 pontos.
Cada objeto não recolhido ou não apontado de acordo com o método escolhido incorre numa penalidade de até 4 pontos. Cada objeto não encontrado será penalizado com desconto de 10 pontos.
O recolher ou apontar um objeto não declarado pelo marcador da pista incorre numa penalidade de 4 pontos.

Seção B - Obediência

Pontuação máxima de 100.

Cada exercício é iniciado e encerrado na posição básica, assim como cada exercício começa por indicação do Árbitro. Depois, qualquer mudança ou direção, alto, mudança de velocidade etc. são executados sem qualquer indicação do Árbitro. Entretanto, é permitido ao condutor pedir ao Árbitro que dê essas indicações.
A mudança do passo de corrida para uma movimentação lenta deverá ser instantânea, sem transição pela movimentação normal.
As conversões à esquerda podem ser executadas em qualquer das duas maneiras conhecidas. O alto deverá ser executado de acordo com o regulamento do R.C.I.. Quando o cão é chamado a partir da posição em frente ao condutor para a posição "junto" ele pode, tanto sentar-se diretamente, como faze-lo após dar a volta por trás do condutor.

1. Andar Junto Com Guia (10 pontos)

Comando verbal "Junto".

Após ouvir o comando "Junto" o cão, usando coleira e guia, deverá deixar a posição básica e seguir alegremente seu condutor.
No início do exercício o condutor com seu cão caminham em linha reta em torno de 40 a 50 passos sem fazer parada alguma. Segue-se uma meia-volta e, após caminhar outros 10 ou 15 passos, eles executam o passo, o trote e o passo lento, por uma distância mínima de 10 passos, em cada velocidade. Após o que, executam, a passo normal, no mínimo uma conversão à direita, uma conversão à esquerda e uma meia-volta. O ombro do cão deverá permanecer constantemente alinhado com o joelho esquerdo do condutor. Ele não poderá adiantar, atrasar ou afastar-se lateralmente do condutor. O condutor deverá executar a meia-volta virando para a esquerda. O comando verbal "junto" poderá ser emitido cada vez que o condutor se iniciar a marcha e a cada mudança de velocidade. Quando o condutor pára o cão deverá sentar-se imediatamente sem receber comando algum. Uma vez que o condutor parou não lhe é permitido mudar sua posição para diminuir a distância entre ele e seu cão. Durante o exercícios a guia é mantida na mão esquerda e jamais poderá estar esticada.
Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão passam através de um grupo de, no mínimo, quatro pessoas e param, no mínimo, uma vez dentro do grupo. Os membros do grupo estão em constante movimento. Se o cão se atrasar, se adiantar ou se afastar do condutor será penalizado. O condutor é penalizado quando em atitude hesitante nas mudanças de direção.

2. Andar Junto sem Guia (15 pontos)

Comando verbal "Junto"

Por indicação do Árbitro o condutor, estando na posição básica, retira a guia e pendura-a a tiracolo ou coloca-a em seu bolso. Feito isto com o cão junto e sem guia retorna ao grupo parando, no mínimo, uma vez. Terminado o exercício de movimentação através do grupo e tendo assumido a posição básica, o resto do exercício de andar junto sem guia é o mesmo que o exercício de andar junto com guia.
Durante o exercício (porém não enquanto passando pelo grupo) são disparados dois tiros (calibre 6-9 mm). O cão deverá permanecer indiferente. Cães medrosos ou assustados devem ser eliminados da competição. Cães que reagem agressivamente mas permanecem sob controle dos seus condutores devem ser apenas penalizados. Só os cães que permanecerem indiferentes aos tiros podem receber o total de pontos.

Regras de execução

Deverá ser dada especial atenção ao comportamento do cão quando os tiros forem disparados. Os tiros serão disparados a uma distância de 15 passos do cão e com intervalo de 5 segundos. Cães que fugirem assustados ao ouvir os tiros deverão ser desqualificados. Se o Árbitro suspeitar que um cão é sensível aos tiros lhe é permitido a disparar quantos tiros extra julgar necessários afim de definir sua opinião. O teste de sensibilidade ao tiro só poderá ser realizado durante o exercícios de "Andar junto sem guia" e "permanência, sem guia, sob distração."

3. Sentar Durante a Marcha (5 pontos)

Comando verbal "Senta"

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após um mínimo de 10 passos, o condutor emite o comando verbal "Senta" e o cão deverá sentar-se imediatamente sem o condutor voltar-se para trás ou mudar sua passada. Após ter completado uns 30 passos o condutor pára e volta-se de frente para o cão. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, permanece de pé à sua direita, assumindo a posição básica. Os cães que em vez de se sentarem deitam-se ou permanecem de pé são penalizados com desconto de até 3 pontos.

4. Deitar Durante a Marcha e Atender à Chamada (10 pontos)

Comando verbais "Deita", "Aqui" e "Junto".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após um mínimo de 10 passos, o condutor emite o comando verbal "Deita" e o cão deverá deitar-se imediatamente, sem o condutor voltar-se para trás ou mudar sua passada marcha por mais 30 passos. Após ter completado os 30 passos volta-se imediatamente de frente para o cão e permanece de pé parado. Por indicação do Árbitro o condutor chama seu cão. O cão deverá ir de encontro ao condutor rápida e alegremente e, na chegada, sentar-se bem próximo ao condutor e de frente para ele. Ao comando "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica. Os cães que, em resposta ao comando "Deita", adotarem uma posição diferente mas voltarem corretamente quando chamados serão penalizados com desconto de até 5 pontos.

5. Recolher um Objeto, 1 quilo (10 pontos)

Comando verbais "Busca", "Larga" e "Junto"

O cão sentado ao lado esquerdo do condutor, sem guia. O condutor arremessa um objeto (sem ser de uso pessoal mas, um haltere pesando 1 quilo a uma distância de cerca de 10 passos. Ao comando verbal "Busca" - emitido uma só vez - o cão deverá dirigir-se alegremente ao objeto, recolhe-lo imediatamente, traze-lo de volta pelo caminho o mais curto possível e sentar-se bem próximo do condutor e de frente para ele. Após uns poucos segundos, em resposta ao comando verbal "Larga", o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica. No lugar de um objeto pessoal o condutor poderá utilizar um haltere. O condutor deverá permanecer na mesma posição básica até o final do exercício.

Avaliação

Cães que deixam cair o objeto, brincam com ele ou mastigam-no são penalizados com desconto de até 4 pontos. Condutores que abandonam a posição básica antes do final do exercício são penalizados com o desconto de até 3 pontos. Se o cão não trouxer o objeto, nenhum ponto pode ser atribuído.

6. Saltar (sem guia) por Sobre um Obstáculo 1 m Altura e 1,50 m Largura e Buscar um Objeto (650 g) (15 pontos)

Comandos verbais "Pula", "Busca", "Larga" e "Junto"

O condutor assume a posição básica em frente do obstáculo a uma distância apropriada dele. Seu cão senta-se junto, sem guia. O condutor arremessa um objeto (não um pertence pessoal mas um haltere pesando 650 g) por sobre o obstáculo. O obstáculo deverá ser totalmente construído com galhos flexíveis. Ao receber os comandos verbais "Pula" e "Busca" o cão deverá pular por cima do obstáculo, sem tocá-lo, recolher rapidamente o objeto, pular de volta e sentar bem próximo ao condutor, de frente para ele. Deverá segurar o objeto por alguns segundos e então, em resposta ao comando verbal "Larga," o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica.
O comando verbal "Busca" deverá ser emitido antes que o cão alcance o objeto.

Avaliação

Se o cão tocar levemente o obstáculo, deverá ser penalizado com desconto de até 2 pts.
Para um toque evidente no obstáculo ou apoiar-se nele levemente, a penalidade será de até 3 pts.
Para um evidente apoio no obstáculo, deixar cair o objeto, brincar ou mastigá-lo, penalidade será de até 4 pts.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto, pular de volta e trazer o objeto sem faltas = 15 pts.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto sem faltas mas, refugar no pulo de volta = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, executar o pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 8 pts.
Pular por sobre o obstáculo na ida, pular o obstáculo na volta mas, não trazer o objeto = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, refugar no pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 0 pts.
Pular por sobre o obstáculo, refugar no pulo de volta e não trazer o objeto = 0 pts.
Se o objeto arremessado pelo o condutor desviar significativamente do curso desejado e cair fora da zona de recolhimento devido a um forte vento de través ou a um arremesso defeituoso, o condutor após receber autorização do Árbitro, pode recolher o objeto e arremessá-lo novamente. Nenhuma penalidade deverá ser aplicada.
Comandos adicionais dados pelo condutor sem mover-se da posição básica devem ser penalizados.
O condutor não poderá abandonar a posição inicial para ajudar ou encorajar seu cão durante os saltos sobre o obstáculo de ida ou de volta, caso aconteça, o desconto total de pontos deverá ser considerado.
O fato do condutor abandonar a sua posição básica e ir até o obstáculo e tocá-lo é considerado como a mais grave das faltas. Nestes casos nenhum ponto poderá ser atribuído quer seja para o salto de ida ou o de volta: o exercício deverá ser considerado nulo. O condutor deverá permanecer na posição básica até que o exercício tenha sido completado (o cão passa por trás para a posição básica, junto).
Se houverem muitos obstáculos, o mesmo obstáculo deverá ser usado por todos o cães inscritos.

7. Escalar um Obstáculo de 1.60 m de Altura, 1.50 m Largura e Recolher um Objeto Pertencente ao Condutor (15 pontos)

O obstáculo tem dois lados inclinados medindo 1.90 m em altura e 1.5 m em largura, cada lado apresenta três ripas horizontais medindo 1.50 m X 24 mm X 48 mm na face externa. A distância entre as bases do dois lados deverá ser calculada de maneira que o topo do obstáculo tenha 1.60 m de altura do solo (medida na vertical).
O condutor assume a posição em frente do obstáculo a uma distância apropriada, com seu cão sentado na posição básica, sem guia. No lugar de um objeto pessoal o condutor pode usar qualquer objeto que o cão possa carregar para lançar por sobre o obstáculo.
Ao receber os comandos verbais "Pula" e "Busca" o cão deverá escalar o obstáculo, recolher rapidamente o objeto, escalar de volta e sentar bem próximo ao condutor, de frente para ele. Deverá segurar o objeto por alguns segundos e então, em resposta ao comando verbal "Larga", o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica.
O comando verbal "Busca" deverá ser emitido antes que o cão alcance o objeto.

Avaliação

Deixar cair o objeto, brincar com ele ou mastigá-lo, penalidade será de até 4 pontos.
Escalar o obstáculo, recolher o objeto escalar de volta e trazer o objeto sem faltas = 15 pts.
Escalar o obstáculo, recolher o objeto sem faltas mas, refugar na escalada de volta = 8 pts.
Refugar na escalada de ida, executar a escalada de volta e trazer o objeto sem faltas = 8 pts.
Escalar o obstáculo na ida, escalar o obstáculo na volta mas, não trazer o objeto = 8 pts.
Refugar na escalada de ida, refugar na escalada de volta e trazer o objeto sem faltas = 0 pts.
Escalar o obstáculo, refugar na escalada de volta e não trazer o objeto = 0 pts.
Se o objeto arremessado pelo o condutor desviar significativamente do curso desejado e cair fora da zona de recolhimento devido a um forte vento de través ou a um arremesso defeituoso, o condutor após receber autorização do Árbitro, pode recolher o objeto e arremessá-lo novamente. Nenhuma penalidade deverá ser aplicada.
Comandos adicionais dados pelo condutor sem mover-se da posição básica devem ser penalizados.
O condutor não poderá abandonar a posição inicial para ajudar ou encorajar seu cão durante as escaladas do obstáculo de ida ou de volta, caso aconteça, o desconto total de pontos deverá ser considerado.
O fato do condutor abandonar a sua posição básica e ir até o obstáculo e tocá-lo é considerado como a mais grave das faltas. Nestes casos nenhum ponto pode ser atribuído: o exercício deverá ser considerado nulo. O condutor deverá permanecer na posição básica até que o exercício tenha sido completado (o cão passa por trás para a posição básica, junto).
Se houverem muitos obstáculos, o mesmo obstáculo deverá ser usado por todos o cães inscritos.

8. Mandar em Frente e Deitar (10 pontos)

Comando verbais "Em Frente" "Deita" "Senta"

Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão (sem guia) deixam a posição básica e marcham em linha reta a passo normal. Após uns poucos passos será emitido comando verbal "Em Frente", juntamente com um movimento do braço e a mão de modo que o cão seja mandado em frente, enquanto o condutor permanece no lugar. O cão deverá ir em frente rapidamente, na direção indicada por 30 passos, no mínimo. Então, ao receber o comando verbal "Deita" ele deverá deitar-se imediatamente. O condutor tem o direito a manter seu braço levantado até o cão deitar. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, toma posição à sua direita, emite o comando verbal "Senta", para assumir a posição básica.

Regras de execução

Não é permitido a repetição do comando gestual. O cão deverá caminhar em frente deslocando-se em linha reta. Um leve desvio será tolerado. Desvio amplo, ir em frente por uma distância muito curta, hesitação antes de deitar ou deitar-se antes do comando do condutor e sair da posição quando o condutor aproxima, serão penalizados.

8. Permanência Sem Guia sob Distração (10 pontos)

Comandos verbais "Deita" e "Senta".

Por indicação do Árbitro e imediatamente antes que outro cão inicie sua prova de obediência, o condutor deverá deixar seu cão deitado a uma distância de cerca de 40 passos, mediante o comando "Deita" sem deixar a guia ou qualquer outro objeto perto o cão. Permanecendo ainda dentro do campo visual do cão, o condutor se afasta cerca de 40 passos sem voltar-se para trás, pára e permanece em pé parado e de costas para o cão. O cão deverá permanecer deitado sem qualquer ajuda do condutor até o outro cão terminar os exercícios de 1 a 7. Uma vez completado o exercício 7 o cão deixado em posição deitado sob distração é recolhido pelo seu condutor. Procedimento idêntico ao do exercício 8.

Regras de execução

O lugar onde o cão irá deitar-se sob distração é indicado pelo Árbitro. O condutor, que permanece de pé de costas para seu cão, volta para buscar seu cão quando indicado pelo o Árbitro.
Faltas nas atitudes do condutor, tais como, voltar-se de frente para o cão, mudança de posição quando o condutor se aproxima, fazer gestos etc. serão penalizados.
Cães que sentam ou ficam parados mas não deixam o local estão autorizados a receber pontos.
Cães que abandonam o lugar designado por mais de três metros, antes que o outro cão tenha terminado o exercício 3, não poderão receber qualquer pontuação.
Cães que abandonarem o lugar depois que o outro cão tiver completado o exercício 3 deverá receber pontos.
Cães que abandonarem o seu lugar para encontrar seus condutores quando da sua aproximação serão penalizados com desconto de até 3 pontos.

Seção C - Defesa

Pontuação máxima de 100.

1. Batida Lateral para Encontrar um Figurante (5 pontos)

O comprimento do terreno é cerca de 100 m e cerca de 80 m largura com seis esconderijos situados ao longo de seu comprimento - três em cada lado. Um "figurante" uniformizado com uma roupa protetora e equipada com uma manga de proteção e uma vara flexível, está posicionado no último esconderijo, fora do campo de visibilidade do cão. O condutor se posiciona com seu cão (sem guia) numa linha imaginária do centro do terreno oposto ao terceiro esconderijo e indica, levantando seu braço que está pronto para iniciar os exercícios. Por indicação do Árbitro, o condutor inicia os exercícios de defesa. Em resposta a breves comandos verbais dados pelo condutor em conjunto com movimentos do braço esquerdo ou do direito - que poderão ser repetidos - o cão deverá dirigir-se rapidamente para os esconderijos e revistá-los na ordem designada, contornando por trás deles. O condutor movimenta-se ao longo de uma linha média imaginaria e não deverá abandonar esta linha sob quaisquer circunstâncias enquanto o cão estiver procurando pelo figurante.
Cada vez que o cão completa a revista de um esconderijo o condutor poderá chamá-lo de volta por meio de um breve comando verbal e mandá-lo novamente em outra direção, também por meio de um breve comando verbal. O comando verbal que é usado para chamar de volta o cão pode ser acompanhado pelo seu nome normal. O cão deverá estar à frente do condutor durante todo o tempo. O condutor pára tão logo o cão reviste ao último esconderijo. Nenhum comando verbal posterior é permitido.

2. Confrontação e Latidos (5 + 5 = 10 pontos)

O cão deverá imobilizar o figurante no esconderijo e latir copiosamente, sem pular sobre ele ou morde-lo. Por indicação do Árbitro o condutor se aproxima do seu cão a passo normal. Em resposta a uma indicação posterior do Árbitro o condutor e seu cão deverão assumir a posição básica à distância de um passo do figurante quando o condutor lhe ordena que saia do esconderijo, caminhe e se posicione a cinco passos do esconderijo.

3. Tentativa de Fuga do Figurante (20 pontos).

Por indicação do Árbitro o condutor sai com seu cão, sem guia, do esconderijo e assume posição 5 passos afastado do figurante. Ele deixa o figurante sob a vigilância do cão na posição sentado. O condutor então retorna ao esconderijo.
Por indicação do Árbitro o figurante faz uma tentativa fuga. Em resposta a um simples comando verbal do condutor, o cão deverá agarrar o figurante imediatamente e sem hesitação para evitar que ele fuja. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Após receber um simples comando verbal o cão deverá soltar imediatamente o figurante e mante-lo imóvel com latidos.

4. Defesa do Cão no Trabalho de Guarda (20 pontos).

Enquanto o cão guarda o figurante por cerca de 5 segundos este último, sob comando Árbitro, desfecha um ataque contra o cão. Sem qualquer intervenção do condutor o cão deverá defender-se e imediatamente agarrar firmemente o figurante mordendo-o. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Ao receber um simples e breve comando verbal o cão deverá soltar sua presa imediatamente e manter o figurante com latidos. O condutor então retorna a seu cão e o chama para junto e assume posição para escoltar o prisioneiro por trás. O figurante não deverá ser desarmado mas ele deverá segurar a vara de tal forma que o cão não a veja antes exercício 6.

5. Escolta Atrás do Prisioneiro em Marcha (5 pontos)

O figurante é então escoltado por uma distância de cerca de 30 passos. O condutor comanda o figurante para caminhar e segue cinco passos trás com seu cão "junto". Um breve comando verbal na saída é permitido.

6. Ataque ao Cão Enquanto Escolta Atrás do Prisioneiro (20 pontos)

Durante a condução atrás, sem parada na pista, o figurante desfecha um ataque contra o cão. O cão deverá defender-se imediatamente, sem hesitação, mordendo o figurante e agarrando-o firmemente. Tão logo o cão tenha mordido o figurante o condutor deverá ficar parado. Por orientação do Árbitro o figurante se rende e também permanece em pé parado. Em resposta a um simples comando verbal o cão deverá liberar imediatamente sua presa e manter o figurante com latidos. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão e assume posição para escoltar o prisioneiro em marcha lateral. O figurante é então escoltado ao Árbitro por uma distância de cerca de 20 passos, com o condutor e seu cão em marcha ao lado. Um breve comando verbal pode ser dado na saída. O condutor caminha à direita do figurante, de maneira que o cão fica posicionado entre eles. Durante a condução o cão não deverá pular sobre o figurante nem morde-lo. O grupo pára em frente do Árbitro. O figurante então abandona o terreno ou vai para o sexto esconderijo.

7. Ataque Com o Cão Lançado (20 pontos)

O condutor e seu cão devem assumir posição no meio do terreno, mais ou menos oposta ao terceiro esconderijo. O cão deverá estar na posição básica. O cão deverá sentar-se ao lado do condutor, sem guia. O condutor pode segurá-lo pela coleira. Por indicação do Árbitro o figurante, segurando uma vara, surge do sexto esconderijo e caminha e, depois, corre em direção ao cão. Quando o figurante estiver a cerca de 30 passos do condutor com seu cão parado e sentado junto, o condutor, ao comando do Árbitro, solta seu cão. O condutor não deverá sair de sua posição. O figurante desfecha um ataque frontal ao cão, gritando e provocando o animal com gestos violentos e ameaçadores. O cão deverá defender-se imediatamente atacando o figurante com uma mordida firme.
Assim que o cão o atacou o figurante aplica-lhe duas vergastadas com a vara. Só é permitido bater na região da garupa e coxas, nos flancos e nos ombros. Por indicação do Árbitro o figurante se rende permanecendo imóvel de pé. Após receber um breve e simples comando verbal o cão deverá imediatamente libertar sua presa e, através do latido, imobilizar o figurante. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, desarma o figurante e toma posição, com este cão a escoltar o prisioneiro em marcha lado a lado.
O figurante é então escoltado, por uma distância de cerca de 20 passos, até o Árbitro. Um breve comando verbal pode ser emitido na saída. O condutor caminha à direita do figurante, de maneira que o cão fique posicionado entre eles. Durante o trajeto o cão não deverá sequer pular em cima ou morder o figurante. O grupo faz uma parada diante do Árbitro, a quem o condutor entrega a vara. O figurante sai da quadra. Uma vez que os exercícios foram completados o cão deverá seguir o condutor junto ou permanecer sentado, sem guia, enquanto os resultados são anunciados. Depois disto o condutor sai da quadra com seu cão seguindo junto, sem guia.

Regras de execução

O figurante deverá estar paramentado numa roupa protetora completa (Jaqueta, jardineira e uma manga de proteção). A vara deverá ser revestida de material macio.
Uma vez que o número de cães inscritos para os exercícios alcance o número de seis, devem ser contratados dois figurantes. Ao segundo caberá a atuar após o sétimo exercício.
Circular próximo e atentamente em torno do figurante (incluindo no esconderijo) não constitui uma falta.
Se durante exercício 3 o cão persegue o figurante antes de receber ou sem receber o comando verbal do condutor, o exercício é julgado "insatisfatório".
Se durante exercício 7 o cão abandona seu lugar antes do comando do Árbitro, o exercício é julgado "insatisfatório."
Se durante o exercícios que envolvam mordida o cão falha em liberar sua presa depois que o sinal breve e audível tenha sido emitido por três vezes, o exercício é julgado "insatisfatório".
Se o cão continua falhando ao liberar sua presa após um sinal adicional, que pode ser concedido por indicação do Árbitro a uma distância de 10 passos, os exercícios de defesa são interrompidos.
Se o figurante se vê obrigado a vigiar o cão, ele não é obrigado a permanecer completamente parado. Ele deverá evitar movimentos provocativos e gestos defensivos, devendo proteger seu corpo com a manga de proteção.
Os exercícios defesa são julgados falhos nos seguintes casos:
- Se o cão estiver fora do controle do condutor.
- Se o cão falhar na soltura de sua presa mesmo após quatro comando verbais (incluindo o "tolerado").
- Se o condutor tem que intervir fisicamente para fazer o cão soltar sua presa.
- Se o cão falhar num dos exercícios de "ataque" ou é ludibriado (incluindo durante a fuga sob vigia).
- Se o cão ataca e morde durante uma das fases onde se espera que fique imóvel, de guarda. Ao cão só é permitido a latir no esconderijo e quando está de guarda.

V. Regulamento para Competições Internacionais Classe 3 (R.C.I. 3)

Seção A - Faro

Pontuação máxima de 100.

Comando verbal "Procura".

- Manutenção da trilha = 80 pontos

- 3 objetos (7 + 7 + 6) = 20 pontos

A trilha será marcada por uma pessoa estranha, comprimento de cerca de 800 passos, antecedência mínima de 60 minutos, com quatro ângulos retos e três objetos a serem encontrados.
A prova de faro será executada com uma guia 10 metros de comprimento ou sem guia.
A marcação da trilha é supervisionada pelo o Árbitro, em função da localização e da topografia do terreno. As trilhas devem ser traçadas de maneiras diferentes. É inaceitável para a pista que os ângulos ou os objetos estejam situados ou depositados a distâncias iguais.
O início da trilha deverá ser claramente marcado por meio de uma estaca enterrada no solo à esquerda do ponto de partida.
Ao preparar a trilha o condutor se aproxima por trás, pára à direita da estaca, dirige-se até o campo e permanece um tempo no ponto de partida. Após receber as necessárias instruções do Árbitro ele procede a marcação da trilha, "perdendo" o primeiro objeto a cerca de 100 passos do ponto de partida, sem mudança de passada, na metade do comprimento da segunda reta (a meio caminho entre o primeiro e segundo ângulo reto). O segundo objeto é depositado a cerca de na metade do comprimento da segunda reta ou na metade do comprimento da terceira reta. O terceiro objeto é depositado no fim da trilha. O marcador de pista continua caminhando outros poucos passos na mesma direção antes abandonar a trilha. O condutor pode executar o exercício de faro com seu cão numa guia de faro ou permitir que o cão fareje sem guia. Ambos métodos são autorizados e serão arbitrados da mesma forma.
O tempo consumido pelo o cão na trilha não poderá exceder a 20 minutos. Após este tempo o Árbitro interromperá o exercício.

Regras de execução

Antes marcar a trilha o condutor deverá mostrar os objetos ao Árbitro ou ao superintendente. Os objetos deverão ser de uso corrente, bem impregnados com o cheiro do marcador de pista (tendo permanecido em seu bolso por no mínimo 30 minutos) e ter as seguintes dimensões: 10 cm comprimento, 2 a 3 cm largura e 0.5 a 1 cm espessura. Todos os objetos deverão ser numerados de modo a corresponder com a numeração da trilha afixada no ponto de partida.
Enquanto a pista estiver sendo marcada o cão deverá ser mantido fora do seu campo de visão. Ao "perder" os objetos o condutor não deverá criar "facilidades" ou interferir com o aroma da trilha. Em nenhum momento o marcador de pista poderá parar ou arrastar os pés no solo. Os objetos devem ser colocados sobre a trilha e não ao lado dela.
O condutor vai a seu cão e o prepara para o Faro. Quando chamado, apresenta-se ao Árbitro e declara se o seu cão recolhe ou aponta os objetos. A combinação de ambos métodos (recolher e apontar os objetos) na mesma prova de faro não está autorizada e será penalizada.
Por indicação do Árbitro o cão é conduzido devagar e calmamente ao ponto de partida de modo que possa tomar a trilha. O cão não pode ficar sujeito a qualquer forma de coação enquanto estiver sendo preparado para a trilha, ou ser reconduzido à trilha ou durante o Faro. Ao cão deverá ser dado tempo suficiente para encontrar o aroma no início da trilha. É essencial que qualquer pressa ou o instinto de caça durante o trabalho de faro deva ser evitado.
O cão deverá iniciar e encontrar a trilha calma e insistentemente.
Enquanto o cão avança do ponto de partida o condutor fica parado deixando deslizar a guia de faro pelas mãos até que esteja no seu tamanho total. Uma vez desenrolada o condutor segue seu cão, mantendo uma distância de cerca de 10 metros. A mesma distância deverá ser observada quando o cão executa a pista de faro sem guia. Qualquer que seja o método usado o cão deverá trabalhar na pista calmamente, permitindo que o condutor o siga a passo. Tão logo o cão encontre um objeto ele deverá recolhe-lo ou apontá-lo clara e convincentemente sem qualquer interferência do condutor.
Se o cão recolhe os objetos lhe é permitido permanecer parado, sentado ou levar o objeto ao seu condutor. Recolher o objeto e permanecer deitado ou seguir em frente segurando o objeto é considerado falta. Se o cão aponta os objetos lhe é permitido faze-lo sentado, parado ou deitado. O condutor deixa cair a guia de faro e vai para junto do cão imediatamente. Ele sinaliza mostrando ao Árbitro o objeto encontrado segurando-o acima de sua cabeça. O cão é então reconduzido à trilha no lugar onde objeto foi encontrado. No fim do exercício os objetos são apresentados ao Árbitro. É permitido aos condutores a aproximar-se dos seus cães após terem recolhido um objeto. Cães que continuam em seus caminhos após recolher um objeto são penalizados. A guia de faro não tem que ficar esticada, poderá permanecer frouxa.
A guia de faro deverá ser atrelada ao arreio de faro do cão ou arreio Böttcher, ou, se o cão não estiver usando qualquer um desses, à sua coleira. Faro sem guia é também permitido.
O uso separado de trelas adicionais é não permitido.
O condutor é livre para decidir como usará a guia. O fato de farejar as estacas que marcam o início da trilha não penaliza o cão.
Se o condutor se afastar da trilha por uma distância maior que o tamanho da guia, o exercício será interrompido.
Se o cão que se afastar da trilha for retido pelo o condutor, o Árbitro deverá ordenar ao condutor que siga seu cão. Se este fato ocorrer novamente, o exercício deverá ser interrompido.

Avaliação

Colocar o cão na pista de maneira incorreta, farejar alto, dar repetidas voltas nos ângulos da trilha, encorajar constantemente, recolher ou apontar de maneira incorreta ou deixar cair objetos são faltas que deverão ser penalizadas com o desconto de quatro pontos cada.
Recolocar o cão na trilha repetidas vezes; farejar longe da trilha; farejar, principalmente, com a trufa alta; farejar de maneira agitada; defecar; caçar em campo de ratos etc. deverá ser penalizado com um desconto de até 8 pontos.
Cada objeto não recolhido ou não apontado de acordo com o método escolhido incorre numa penalidade de até 4 pontos.
Se o cão não encontrar o primeiro objeto incorre numa penalidade de 7 pontos. Se o cão não encontrar o segundo objeto incorre numa penalidade de 7 pontos. Se o cão não encontrar o terceiro objeto incorre numa penalidade de 6 pontos. O recolher ou apontar um objeto não declarado pelo marcador da pista incorre numa penalidade de 4 pontos.

Seção B - Obediência

Pontuação máxima de 100

Cada exercício é iniciado e encerrado na posição básica, assim como cada exercício começa por indicação do Árbitro. Depois, qualquer mudança ou direção, alto, mudança de velocidade etc. são executados sem qualquer indicação do Árbitro. Entretanto, é permitido ao condutor pedir ao Árbitro que dê essas indicações.
A mudança do passo de corrida para uma movimentação lenta deverá ser instantânea, sem transição pela movimentação normal. As conversões à esquerda podem ser executadas em qualquer das duas maneiras conhecidas. O alto deverá ser executado de acordo com o regulamento do R.C.I..
Exercícios 2 e 3 e exercícios 4 e 5 deverão ser executados cada um em linha reta (sem retorno ao ponto de partida).
Para exercícios 6 e 7 é obrigatório o uso dos halteres disponíveis na pista da competição.
Quando o cão é chamado da posição em frente ao condutor para a posição básica ele pode sentar tanto diretamente quanto fazendo a volta por trás do condutor.

1. Andar Junto Sem Guia (10 pontos)

Comando verbal "Junto"

O condutor se apresenta ao Árbitro junto com seu cão, sem guia. Após ouvir o comando "Junto" o cão deverá deixar a posição básica e seguir alegremente seu condutor. No início do exercício o condutor e seu cão marcham em linha reta em torno de 40 a 50 passos sem fazer parada alguma. Então fazem uma meia-volta e após em caminhar outros 10 ou 15 passos eles executam o passo a trote e o passo lento, por uma distância mínima de 10 passos, em cada velocidade. Eles executam o passo a trote e o passo lento, por uma distância mínima de 10 passos, em cada velocidade. Após o que, executam, a passo normal, no mínimo uma conversão à direita, uma conversão à esquerda e uma meia-volta. O condutor deverá executar a meia-volta virando para a esquerda. O ombro do cão deverá permanecer constantemente alinhado com o joelho esquerdo do condutor. Ele não poderá adiantar, atrasar ou afastar-se lateralmente do condutor. O comando verbal "junto" poderá ser emitido cada vez que o condutor se iniciar a marcha e a cada mudança de velocidade. Quando o condutor pára o cão deverá sentar-se imediatamente sem receber comando algum. Uma vez que o condutor parou não lhe é permitido mudar sua posição para diminuir a distância entre ele e seu cão. Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão atravessam um grupo de, no mínimo, quatro pessoas e pára, no mínimo, uma vez dentro do grupo. Os membros do grupo estão em constante movimento. Se o cão se atrasar, se adiantar ou se afastar do condutor, será penalizado. O condutor é penalizado quando em atitude hesitante nas mudanças de direção.
No curso do exercício (mas não enquanto dentro do grupo) dois tiros, calibre 6-9 mm, serão disparados. O cão deverá permanecer indiferente. Cães medrosos ou assustados devem ser eliminados da competição. Cães que reagem agressivamente mas permanecem sob controle dos seus condutores devem ser apenas penalizados. Só os cães que permanecerem indiferentes aos tiros podem receber o total de pontos.

Regras de execução

Deverá ser dada especial atenção ao comportamento do cão quando os tiros forem disparados. Os tiros serão disparados a uma distância de 15 passos do cão e com intervalo de 5 segundos. Cães que fugirem assustados ao ouvir os tiros deverão ser desqualificados. Se o Árbitro suspeitar que um cão é sensível aos tiros lhe é permitido a disparar quantos tiros extra julgar necessários afim de definir sua opinião. O teste de sensibilidade ao tiro só poderá ser realizado durante o exercícios de "Andar junto sem guia" e "permanência, sem guia, sob distração".

2. Sentar Durante a Marcha (5 pontos)

Comando verbal "Senta"

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após um mínimo de 10 passos, o condutor emite o comando verbal "Senta" e o cão deverá sentar-se imediatamente sem o condutor voltar-se para trás ou mudar sua passada. Após ter completado uns 30 passos o condutor pára e volta-se de frente para o cão. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, permanece de pé à sua direita, assumindo a posição básica. Os cães que em vez de se sentarem deitam-se ou permanecem de pé são penalizados com desconto de até 3 pontos.

3. Deitar Durante o Trote e Atender à Chamada (10 pontos)

Comando verbais "Deita", "Aqui" e "Junto".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal.
Após 10 passos o condutor iniciar o trote e após, no mínimo mais 10 passos, ele emite o comando verbal "Deita". O cão deverá deitar-se rapidamente, sem o condutor voltar-se para trás ou mudar seu trote por mais 30 passos. O condutor continua trotando sem voltar-se para trás por mais cerca de 30 passos. Então ele pára e volta-se de frente para o cão. Por indicação do Árbitro ele chama seu cão.
O cão deverá ir de encontro ao condutor rápida e alegremente e, na chegada, sentar-se bem próximo ao condutor e de frente para ele. Ao comando "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica. Os cães que, em resposta ao comando "Deita", adotarem uma posição diferente mas voltarem corretamente quando chamados serão penalizados com desconto de até 5 pontos.

4. De Pé Durante a Marcha (5 pontos)

Comando verbais "Parado" e "Senta".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), marcham em linha reta, a passo normal. Após, no mínimo, 10 passos o condutor emite o comando verbal "Parado" e o cão deverá obedecer imediatamente sem o condutor mudar sua passada ou voltar-se para trás. Após cerca de 30 passos o condutor pára e volta-se imediatamente de frente para o cão. O exercício é considerado completo quando o condutor tiver assumido sua posição ao lado direito do cão, emitido o comando "Senta" e o cão tenha obedecido.

5. De Pé Durante o Trote e Atender à Chamada (10 pontos)

Comando verbais "Parado", "Aqui" e "Junto".

A partir da posição básica, o condutor e seu cão (sem guia), deslocam-se em linha reta, a trote. Após, no mínimo, 10 passos o condutor emite o comando verbal "Parado". O cão deverá, imediatamente, ficar em pé parado, sem o condutor mudar sua passada ou voltar-se para trás. Após cerca de 30 passos o condutor pára e volta-se imediatamente de frente para o cão. Por indicação do Árbitro ele chama seu cão. O cão deverá ir de encontro ao condutor rápida e alegremente e, na chegada, sentar bem próximo ao condutor e de frente para ele. Quando dado o comando "Junto" o cão deverá imediatamente sentar no lado esquerdo do condutor, assumindo a posição básica.

Regras de execução

Cães que assumem uma posição diferente em resposta ao comando verbal "Parado" são penalizados com a perda de até 5 pontos.
Cães que falham em manter o passo junto ou demoram no retorno aos condutores, condutores que se voltam para trás deverão ser penalizados.

6. Recolher um Objeto Arremessado, de 2 quilos (10 pontos)

Comando verbais "Busca", "Larga" e "Junto"

O cão na posição básica sentado, sem guia, à esquerda do condutor. O condutor arremessa um objeto que seja de uso pessoal (o cão pode um transportar haltere, pesando 2 kg) uma distância de cerca de 10 passos. Ao receber o comando verbal "Busca" (emitido só uma vez) o cão deverá dirigir-se rapidamente ao objeto, recolhe-lo imediatamente, o traze-lo de volta rapidamente e sentar-se muito perto do condutor, de frente para ele. Após uns poucos momentos, em resposta ao comando verbal "Larga", ele deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao receber o comando verbal "Junto" o cão deverá imediatamente sentar-se junto ao condutor. O condutor deverá permanecer na posição básica até o fim do exercício.

Avaliação

Cães que deixam cair o objeto, brincam com ele ou mastigam-no são penalizados com desconto de até 4 pontos. Condutores que abandonam a posição básica antes do final do exercício são penalizados com o desconto de até 3 pontos. Se o cão não trouxer o objeto, nenhum ponto pode ser atribuído.

7. Saltar (sem guia) por Sobre um Obstáculo 1 m Altura e 1,50 m Largura e Buscar um Haltere de 650 g (15 pontos).

Comandos verbais "Pula", "Busca", "Larga" e "Junto"

O condutor assume a posição básica em frente do obstáculo a uma distância apropriada dele. Seu cão senta-se junto, sem guia. O condutor arremessa um haltere pesando 650 g por sobre o obstáculo. O obstáculo deverá ser totalmente construído com galhos flexíveis. Ao receber os comandos verbais "Pula" e "Busca" o cão deverá pular por cima do obstáculo, sem tocá-lo, recolher rapidamente o objeto, pular de volta e sentar bem próximo ao condutor, de frente para ele. Deverá segurar o objeto por alguns segundos e então, em resposta ao comando verbal "Larga," o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica.
O comando verbal "Busca" deverá ser emitido antes que o cão alcance o objeto.

Avaliação

Se o cão tocar levemente o obstáculo, deverá ser penalizado com desconto de até 2 pontos.
Para um toque evidente no obstáculo ou apoiar-se nele levemente, a penalidade será de até 3 pontos.
Para um evidente apoio no obstáculo, deixar cair o objeto, brincar com ele ou mastigá-lo, penalidade será de até 4 pontos.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto, pular de volta e trazer o objeto sem faltas = 15 pts.
Pular por sobre o obstáculo, recolher o objeto sem faltas mas, refugar no pulo de volta = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, executar o pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 8 pts.
PuLar por sobre o obstáculo na ida, pular o obstáculo na volta mas, não trazer o objeto = 8 pts.
Refugar no pulo de ida, refugar no pulo de volta e trazer o objeto sem faltas = 0 pts.
Pular por sobre o obstáculo, refugar no pulo de volta e não trazer o objeto = 0 pts.
Se o objeto arremessado pelo o condutor desviar significativamente do curso desejado e cair fora da zona de recolhimento devido a um forte vento de través ou a um arremesso defeituoso, o condutor após receber autorização do Árbitro, pode recolher o objeto e arremessá-lo novamente. Nenhuma penalidade deverá ser aplicada.
Comandos adicionais dados pelo condutor sem mover-se da posição básica devem ser penalizados.
O condutor não poderá abandonar a posição inicial para ajudar ou encorajar seu cão durante os saltos sobre o obstáculo de ida ou de volta, caso aconteça, o desconto total de pontos deverá ser considerado.
O fato do condutor abandonar a sua posição básica e ir até o obstáculo e tocá-lo é considerado como a mais grave das faltas. Nestes casos nenhum ponto poderá ser atribuído quer seja para o salto de ida ou o de volta: o exercício deverá ser considerado nulo. O condutor deverá permanecer na posição básica até que o exercício tenha sido completado (o cão passa por trás para a posição básica, junto).
Se houverem muitos obstáculos, o mesmo obstáculo deverá ser usado por todos o cães inscritos.

8. Escalar um Obstáculo 1,80 m de Altura, 1,50 m de Largura, Sem Guia, e Recolher um Objeto Pertencente ao Condutor (15 pontos).

O obstáculo tem dois lados inclinados medindo 1.90 m em altura e 1.5 m em largura, cada lado apresenta três ripas horizontais medindo 1.50 m X 24 mm X 48 mm na face externa. A distância entre as bases do dois lados deverá ser calculada de maneira que o topo do obstáculo tenha 1.80 m de altura do solo (medida na vertical).
O condutor assume a posição em frente do obstáculo a uma distância apropriada, com seu cão sentado na posição básica, sem guia. No lugar de um objeto pessoal o condutor pode usar qualquer objeto que o cão possa carregar para lançar por sobre o obstáculo.
Ao receber os comandos verbais "Pula" e "Busca" o cão deverá escalar o obstáculo, recolher rapidamente o objeto, escalar de volta e sentar bem próximo ao condutor, de frente para ele. Deverá segurar o objeto por alguns segundos e então, em resposta ao comando verbal "Larga", o cão deverá soltar o objeto nas mãos do seu condutor. Ao comando verbal "Junto" o cão deverá assumir imediatamente a posição básica.
O comando verbal "Busca" deverá ser emitido antes que o cão alcance o objeto.

Avaliação

Deixar cair o objeto, brincar com ele ou mastigá-lo, penalidade será de até 4 pts.
Escalar o obstáculo, recolher o objeto escalar de volta e trazer o objeto sem faltas = 15 pts.
Escalar o obstáculo, recolher o objeto sem faltas mas, refugar na escalada de volta = 8 pts.
Refugar na escalada de ida, executar a escalada de volta e trazer o objeto sem faltas = 8 pts.
Escalar o obstáculo na ida, escalar o obstáculo na volta mas, não trazer o objeto = 8 pts.
Refugar na escalada de ida, refugar na escalada de volta e trazer o objeto sem faltas = 0 pts.
Escalar o obstáculo, refugar na escalada de volta e não trazer o objeto = 0 pts.
Se o objeto arremessado pelo o condutor desviar significativamente do curso desejado e cair fora da zona de recolhimento devido a um forte vento de través ou a um arremesso defeituoso, o condutor após receber autorização do Árbitro, pode recolher o objeto e arremessá-lo novamente. Nenhuma penalidade deverá ser aplicada.
Comandos adicionais dados pelo condutor sem mover-se da posição básica devem ser penalizados.
O condutor não poderá abandonar a posição inicial para ajudar ou encorajar seu cão durante as escaladas do obstáculo de ida ou de volta, caso aconteça, o desconto total de pontos deverá ser considerado.
O fato do condutor abandonar a sua posição básica e ir até o obstáculo e tocá-lo é considerado como a mais grave das faltas. Nestes casos nenhum ponto pode ser atribuído: o exercício deverá ser considerado nulo. O condutor deverá permanecer na posição básica até que o exercício tenha sido completado (o cão passa por trás para a posição básica, junto).
Se houverem muitos obstáculos, o mesmo obstáculo deverá ser usado por todos o cães inscritos.

9. Mandar em Frente e Deitar (10 pontos)

Comando verbais "Em Frente" "Deita" "Senta"

Por indicação do Árbitro o condutor e seu cão (sem guia) deixam a posição básica e marcham em linha reta a passo normal. Após uns poucos passos será emitido comando verbal "Em Frente", juntamente com um movimento do braço e a mão de modo que o cão seja mandado em frente, enquanto o condutor permanece no lugar. O cão deverá ir em frente rapidamente, na direção indicada por 30 passos, no mínimo. Então, ao receber o comando verbal "Deita" ele deverá deitar-se imediatamente. O condutor tem o direito a manter seu braço levantado até o cão deitar. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão, toma posição à sua direita, emite o comando verbal "Senta", para assumir a posição básica.

Regras de execução

Não é permitido a repetição do comando gestual. O cão deverá caminhar em frente deslocando-se em linha reta. Um leve desvio será tolerado. Desvio amplo, ir em frente por uma distância muito curta, hesitação antes de deitar ou deitar-se antes do comando do condutor e sair da posição quando o condutor aproxima, serão penalizados.

8. Permanência sem Guia sob Distração (10 pontos)

Comandos verbais "Deita" e "Senta"

Por indicação do Árbitro e imediatamente antes que outro cão inicie sua prova de obediência, o condutor deverá deixar seu cão deitado a uma distância de cerca de 40 passos, mediante o comando "Deita" sem deixar a guia ou qualquer outro objeto perto o cão. Permanecendo ainda dentro do campo visual do cão, o condutor se afasta cerca de 40 passos sem voltar-se para trás, pára e permanece em pé parado e de costas para o cão. O cão deverá permanecer deitado sem qualquer ajuda do condutor até o outro cão terminar os exercícios de 1 a 7. Uma vez completado o exercício 7 o cão deixado em posição deitado sob distração é recolhido pelo seu condutor. Procedimento idêntico ao do exercício 8.

Regras de execução

O lugar onde o cão irá deitar-se sob distração é indicado pelo Árbitro. O condutor, que permanece em pé de costas para seu cão, volta para buscar seu cão quando indicado pelo o Árbitro.
Faltas nas atitudes do condutor, tais como, voltar-se de frente para o cão, mudança de posição quando o condutor se aproxima, fazer gestos etc. serão penalizados.
Cães que sentam ou ficam parados mas não deixam o local estão autorizados a receber pontos.
Cães que abandonam o lugar designado por mais de três metros, antes que o outro cão tenha terminado o exercício 3, não poderão receber qualquer pontuação.
Cães que abandonarem o lugar depois que o outro cão tiver completado o exercício 5 deverá receber pontos.
Cães que abandonarem o seu lugar para encontrar seus condutores quando da sua aproximação serão penalizados com desconto de até 3 pontos.

Seção C - Defesa

pontuação máxima de 100

1. Batida Lateral para Encontrar um Figurante (10 pontos)

O comprimento do terreno é cerca de 100 m e cerca de 80 m largura com seis esconderijos situados ao longo de seu comprimento - três em cada lado. Um "figurante" uniformizado com uma roupa protetora e equipada com uma manga de proteção e uma vara flexível, está posicionado no último esconderijo, fora do campo de visibilidade do cão. O condutor se posiciona com seu cão (sem guia) numa linha imaginária do centro do terreno oposto ao primeiro esconderijo e indica, levantando seu braço que está pronto para iniciar os exercícios. Por indicação do Árbitro, o condutor inicia os exercícios de defesa. Em resposta a breves comandos verbais dados pelo condutor em conjunto com movimentos do braço esquerdo ou do direito - que poderão ser repetidos - o cão deverá dirigir-se rapidamente para os esconderijos e revistá-los na ordem designada, contornando por trás deles. O condutor movimenta-se ao longo de uma linha média imaginaria e não deverá abandonar esta linha sob quaisquer circunstâncias enquanto o cão estiver procurando pelo figurante.
Cada vez que o cão completa a revista de um esconderijo o condutor poderá chamá-lo de volta por meio de um breve comando verbal e mandá-lo novamente em outra direção, também por meio de um breve comando verbal. O comando verbal que é usado para chamar de volta o cão pode ser acompanhado pelo seu nome normal. O cão deverá estar à frente do condutor durante todo o tempo. O condutor pára tão logo o cão reviste ao último esconderijo. Nenhum comando verbal posterior é permitido.

2. Confrontação e Latidos (5 + 5 = 10 pontos)

O cão deverá imobilizar o figurante no esconderijo e latir copiosamente, sem pular sobre ele ou morde-lo. Por indicação do Árbitro o condutor se aproxima do seu cão a passo normal. Em resposta a uma indicação posterior do Árbitro o condutor e seu cão deverão assumir a posição básica à distância de um passo do figurante quando o condutor lhe ordena que saia do esconderijo, caminhe e se posicione a cinco passos do esconderijo.

3. Tentativa de Fuga do Figurante (15 pontos).

Por indicação do Árbitro o condutor sai com seu cão, sem guia, do esconderijo e assume posição 5 passos afastado do figurante. Ele deixa o figurante sob a vigilância do cão na posição sentado. O condutor então retorna ao esconderijo.
Por indicação do Árbitro o figurante faz uma tentativa fuga. Em resposta a um simples comando verbal do condutor, o cão deverá agarrar o figurante imediatamente e sem hesitação para evitar que ele fuja. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Após receber um simples comando verbal o cão deverá soltar imediatamente o figurante e mante-lo imóvel com latidos.

4. Defesa do Cão no Trabalho de Guarda (15 pontos).

Enquanto o cão guarda o figurante por cerca de 5 segundos este último, sob comando Árbitro, desfecha um ataque contra o cão. Sem qualquer intervenção do condutor o cão deverá defender-se e imediatamente agarrar firmemente o figurante mordendo-o. Assim que o cão o atacou o figurante aplica-lhe duas vergastadas com a vara. Só é permitido bater na região da garupa e coxas, nos flancos e nos ombros. Por indicação do Árbitro o figurante se rende, permanecendo em pé parado. Ao receber um simples e breve comando verbal o cão deverá soltar sua presa imediatamente e manter o figurante com latidos. O condutor então retorna a seu cão e o chama para junto e assume posição para escoltar o prisioneiro por trás. O figurante não deverá ser desarmado mas ele deverá segurar a vara de tal forma que o cão não a veja antes exercício 6.

5. Escolta Atrás do Prisioneiro em Marcha (5 pontos)

O figurante é então escoltado por uma distância de cerca de 30 passos. O condutor comanda o figurante para caminhar e segue cinco passos trás com seu cão "junto". Um breve comando verbal na saída é permitido.

6. Ataque ao Cão Enquanto Escolta o Prisioneiro por Trás (15 pontos)

Durante a condução atrás, sem parada na pista, o figurante desfecha um ataque contra o cão. O cão deverá defender-se imediatamente, sem hesitação, mordendo o figurante e agarrando-o firmemente. Tão logo o cão tenha mordido o figurante o condutor deverá ficar parado. Por orientação do Árbitro o figurante se rende e também permanece em pé parado. Em resposta a um simples comando verbal o cão deverá liberar imediatamente sua presa e manter o figurante com latidos. Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão e assume posição para escoltar o prisioneiro em marcha lateral. O figurante é então escoltado ao Árbitro por uma distância de cerca de 20 passos, com o condutor e seu cão em marcha ao lado. Um breve comando verbal pode ser dado na saída. O condutor caminha à direita do figurante, de maneira que o cão fica posicionado entre eles. Durante a condução o cão não deverá pular sobre o figurante nem morde-lo. O grupo pára em frente do Árbitro. O figurante então abandona o terreno ou vai para o sexto esconderijo.

7. Ataque com o Cão Lançado (15 pontos)

O condutor e seu cão devem assumir posição no meio do terreno, mais ou menos oposta ao terceiro esconderijo. O cão deverá estar na posição básica. O cão deverá sentar-se ao lado do condutor, sem guia e livremente.
Por indicação do Árbitro o figurante, segurando uma vara, surge do sexto esconderijo e caminha na direção da linha média do campo. Ao atingir a linha o figurante volta-se no direção do condutor, sem mudar seu passo.
Quando o figurante estiver a cerca de 30 passos do condutor com seu cão parado e sentado junto, o condutor, ao comando do Árbitro, solta seu cão. O condutor não deverá sair de sua posição. O figurante desfecha um ataque frontal ao cão, gritando e provocando o animal com gestos violentos e ameaçadores. O cão deverá defender-se imediatamente atacando o figurante com uma mordida firme.
Ao comando do Árbitro o figurante se rende e permanece de pé parado. Após receber um simples e breve comando verbal o cão deverá imediatamente soltar sua presa e imobilizar o figurante a com latidos.

8. Defesa do Cão Durante o Trabalho de Vigia (15 pontos).

Enquanto o cão estiver sendo vigiado o figurante por cerca de 5 segundos o figurante, ao comando do Árbitro, desfecha outro ataque no cão. Sem qualquer intervenção do condutor. O cão deverá defender-se imediatamente, sem hesitação, agarrando o figurante e mordendo-o firmemente. Tão logo o cão tenha mordido o figurante o condutor deverá ficar parado. Por orientação do Árbitro o figurante se rende e também permanece em pé parado. Em resposta a um simples comando verbal o cão deverá liberar imediatamente sua presa e manter o figurante com latidos.
Por indicação do Árbitro o condutor retorna a seu cão e assume posição para escoltar o prisioneiro em marcha lateral. O figurante é então escoltado por uma distância de cerca de 20 passos até o Árbitro. Um breve comando verbal pode ser dado na saída. O condutor caminha à direita do figurante, de maneira que o cão fique posicionado entre eles. Durante o trajeto o cão não deverá pular em cima nem morder o figurante. O grupo pára diante do Árbitro e o condutor lhe entrega a vara. Uma vez que o exercício é completado o cão deverá acompanhar o condutor a junto ou permanecer sentado, sem guia, até que os resultados sejam anunciados. Após isto o condutor deixa o terreno da prova com seu cão sem guia.

Regras de execução

O figurante deverá estar paramentado numa roupa protetora completa (Jaqueta, jardineira e uma manga de proteção).
A vara deverá ser revestida de material macio.
Uma vez que o número de cães inscritos para os exercícios alcance o número de seis, devem ser contratados dois figurantes. Ao segundo caberá a atuar após o sétimo exercício.
Circular próximo e atentamente em torno do figurante (incluindo no esconderijo) não constitui uma falta.
Se durante exercício 3 o cão persegue o figurante antes de receber ou sem receber o comando verbal do condutor, o exercício é julgado ‘’insatisfatório."
Se durante exercício 7 o cão abandona seu lugar antes do comando do Árbitro, o exercício é julgado "insatisfatório."
Se durante o exercícios que envolvam mordida o cão falha em liberar sua presa depois que o sinal breve e audível tenha sido emitido por três vezes, o exercício é julgado "insatisfatório."
Se o cão continua falhando ao liberar sua presa após um sinal adicional, que pode ser concedido por indicação do Árbitro a uma distância de 10 passos, os exercícios de defesa são interrompidos.
Se o figurante se vê obrigado a vigiar o cão, ele não é obrigado a permanecer completamente parado. Ele deverá evitar movimentos provocativos e gestos defensivos, devendo proteger seu corpo com a manga de proteção.
Os exercícios defesa são julgados falhos nos seguintes casos:
- Se o cão estiver fora do controle do condutor.
- Se o cão falhar na soltura de sua presa mesmo após quatro comando verbais (incluindo o "tolerado").
- Se o condutor tem que intervir fisicamente para fazer o cão soltar sua presa.
- Se o cão falhar num dos exercícios de "ataque" ou é ludibriado (incluindo durante a fuga sob vigia).
- Se o cão ataca e morde durante uma das fases onde se espera que fique imóvel, de guarda. Ao cão só é permitido a latir no esconderijo e quando está de guarda.

VI. Aplicação na R.C.I.

1. Diagrama para os exercícios de obediência

Classe III

1. Andar junto sem guia

= Passo normal

= Passo lento

= Trote

1/2 V = Meia-volta

P. B. = Posição básica

C. D. = Conversão à Direita

C. E. = Conversão à Esquerda

A = Alto

2. Sentar Durante a Marcha

10 passos 30 passos

S. P. I——————I—————————————————I Stop. Retorno ao cão

Normal Normal

3. Deitar Durante o Trote e Atender à Chamada

10 passos 10 passos 30 passos

S. P. I——————I——————I—————————————I Cão de frente para o condutor,

Normal Trote Trote para posição básica.

4. Posição "Parado" Durante a Marcha

Stop 30 passos 10 passos

retorno ao cão, I—————————————I——————I S. P.

sentado Normal Normal

5. Parado Durante o Trote e Atender à Chamada

Cão de frente 30 passos 10 passos

para o condutor I—————————————I——————I S. P.

a junto. Normal Trote

6. Recolher um Objeto pesando 2 kg em terreno livre.

7. Salto Livre Sobre um Obstáculo de 1 m de altura, 1.5 m de largura sem guia e buscar um objeto (650g)

8. Escalada de um obstáculo de 1.8m altura, 1.5 m de largura, sem guia, e buscar um objeto.

9. Mandar em Frente e Deitar.

uns poucos cão 40 passos,

passos rapidamente

S. P. ————I———————————I———————————— Condutor retorna ao cão,

Condutor, a Sentado

passo normal

10. Permanência, Sem Guia, sob Distração.

Cadastre-se   |   Help Desk   |   Sistema de Busca  |  Links   |   Sites Úteis   |  Pedigrees  |   Loja   |  Primeiro Website  |  Web Anterior  |   Estatísticas  |   Chat


© 2002-2007 Criador On-Line. Por favor, leia nossa Política de Privacidade

O conteúdo dos anúncios é de inteira responsabilidade dos anunciantes e as matérias não expressam a opinião do Criador On-line.

Quantidade de acessos desde 02/2002: 4.533.700 (até 31/10/2018)
Visitantes únicos desde 02/2002: 2.762.748
PageViews em Outubro/2018: 30.365
Visitantes conectados neste momento: 125







 
 
 
 
   
 
 
 
Pesquisar
 
  125 Visitantes On-line no momento.
Links Patrocinados
  Shih Tzu e Lhasa Apso
Filhotes Selecionados p/ você
Faça sua reserva agora mesmo
www.hairywolf.com.br
  Ganhe Dinheiro com seu Website
Seja parceiro no site Animal
Manager e ganhe dinheiro...
www.animalmanager.com.br
  Canil Izafa Dog
Canil especializado nas raças
Pug Shih-Tzu YorkShire Golden
www.izafadog.com.br
  Canil Bons Fluidos
Trabalhamos com várias raças
Filhotes a venda no site
www.canilbonsfluidosco.br
  Canil Pandaskão
Lhasa apso, Maltês, Shih Tzu,
Schnauzer , Spitz Alemão.
www.canilpandaskao.com.br
  Canil Rancho da Pedra
Beagle Basset Pug Shih-Tzu
Husky Rotweiller Maltes Labrad
www.ranchodapedra.com.br
  Canil RM Filhotes
Venda permanente de Filhotes
B. Francês Pug Beagle Fox Pta.
www.canilrmfilhotes.com.br
  Canil Forts Alges Goldens
Criação Selecionada de Goldens
Retrievers.Reserve seu filhote
www.fortsangelsgoldens.com.br
  Lhasa Apso e Yorkshire
Filhotes a venda,veja as fotos
em nosso site, são lindos!
www.dogbanbach.com.br
  Filhotes de Labrador e Pug
Excelentes exemplares a venda.
Despachamos para todo Brasil.
www.canilgrandwolf.com.br
Mais links...