Clique aqui para navergar no Website
 
     
Animal Manager - O site de tecnologia animal - Cães, Gatos, Aves, Peixes, Cavalos, Roedores e muito mais...
INFORMAÇÃO CRIADOR ON-LINE
ENTREVISTAS
  Painel de Controle Cadastre-se Índice Atualizar Voltar  

Mauro Ieiri, introdutor da raça Japanese Spitz no Brasil nos concede entrevista por
e-mail diretamente do Japão. Ele nos fala sobre os problemas que teve ao participar de exposições cinófilas e também de como o cidadão japonês se relaciona com seus cães.




Leia toda a matéria da entrevista abaixo.


Japão, 07 janeiro de 2004 - Entrevistado: Mauro Ieiri Little Yokohama Kennel



SEUS CÃES E SEU CANIL

Criador On-line: Com qual finalidade você começou a criar cães e porque optou pelas raças Yorkshire, Maltês e Japanese Spitz?
Mauro Ieiri:
Sempre gostei de cães. Como aumentou o número de cães que criava como pet, resolvi abrir o canil e tentar melhorar a qualidade deles. Optei pelo Maltês e Yorkshire por causa da aparência e porque gosto muito de mexer com cães de pelagem longa. Quando vi um exemplar do Japanese Spitz num pet shop aqui do Japão me interessei pela raça, daí procurei saber mais sobre ela o que me encantou muito.

Criador On-line: Qual é o seu objetivo na criação de cães?
Mauro Ieiri:
Tentar aperfeiçoar mais e mais as raças que crio.

Criador On-line: Seu cão Ryuuchi possui vários prêmios. Conte como foi a campanha dele.
Mauro Ieiri:
Ele começou a campanha no mês de agosto de 2003 quando contratei um handler por telefone, pois ainda estou no Japão. Ele começou a colocar o Ryuuchi em exposições onde ganhou vários prêmios: Melhor da Raça, Melhor do Grupo, Melhor Filhote e também o 4o lugar de Mini Best in show; o 4o lugar de Best in Show e 5o lugar de Best in Show. 

Criador On-line: Durante a campanha do Ryuuchi, teve problemas com juízes ou handlers?
Mauro Ieiri:
Sim, ele foi prejudicado, pois os juizes não sabiam avaliar o Ryuuchi por não conhecerem a raça, por isto não o classificavam. Eu sou o introdutor da raça no Brasil.

Criador On-line: Descreva o Japanese Spitz.
Mauro Ieiri:
Caracteriza-se, como todas as raças caninas de tipo spitz, pelo focinho pontiagudo, pelas orelhas eretas e triangulares e pela cauda enrolada sobre dorso. Sua expressão, um dos traços mais marcantes desse cão, lembra a da raposa. Ele tem porte médio: os machos atingem de 30 a 38 cm, e as fêmeas são um pouco menores. É muito dócil, alegre, companheiro e não precisa de muito espaço.

Criador On-line: Qual é o ponto forte e qual é o ponto fraco da raça Japanese Spitz?
Mauro Ieiri:
Na minha opinião, que estou começando a criar e conhecer a raça agora, eles são muito carinhosos e amigos, por enquanto não tenho notado nenhum ponto fraco na raça.


CINOFILIA

Criador On-line: O que você acha das exposições de cães no Brasil incluindo os juízes e handlers?
Mauro Ieiri:
Eu não Posso falar muito, pois estou começando nas exposições recentemente, mais o que ouço falar e que eles julgam não só o cão, mas também os handlers.

Criador On-line: Considera o juiz estrangeiro mais capacitado em relação ao juiz brasileiro? Porque?
Mauro Ieiri:
Eu acho que sim pois eles julgam em vários paises e com isso passam a conhecer melhor o perfil de cada raça.


SAÚDE E BEM ESTAR CANINO

Criador On-line: Quais são as principais doenças da raça Japanese Spitz especificamente?
Mauro Ieiri:
Por enquanto não identifiquei nenhum problema específico.

Criador On-line: O que você acha das ferias públicas de filhotes?
Mauro Ieiri:
Eu particularmente não gosto, pois nessas feiras eles vendem os cães como se fossem mercadorias, vendem cães dizendo que são de raça, mas na verdade são cães misturados e muitas vezes doentes também.


UTILIDADE

Criador On-line: O que você acha dos veterinários do Brasil como um todo? O serviço deles é bom ou deixa a desejar?
Mauro Ieiri
: Eu acho que é bom.

Criador On-line: Os criadores da raça Yorkshire ou Maltês no Brasil, de um modo geral, visam o aprimoramento da raça ou simplesmente “fabricam” filhotes tendo em vista somente o lucro? O que pensa a esse respeito?
Mauro Ieiri:
Atualmente tem muitas pessoas criando, visando somente lucro e não pensando no aprimoramento, misturam muito as raças, e não demora vai ficar igual ao poodle, com desvios de comportamento, bicolores, prognatas, etc.

Criador On-line: O que você acha do modismo na cinofilia (criadores que criam determinadas raças enquanto elas são populares e depois as substituem por outra)?
Mauro Ieiri:
Eu acho muito triste, porque muitas vezes quando acaba a moda as pessoas se desfazem do cão, como se fosse uma mercadoria.

Criador On-line: Você considera importante o uso da Internet no ramo da cinofilia? Porque?
Mauro Ieiri:
Bastante, porque através dela as pessoas começam a conhecer as raças, obter informações sobre os canis, sobre as raças, etc.


JAPÃO

Criador On-line: Como é seu relacionamento com os criadores do Japão? Eles são cooperativos com criadores brasileiros?
Mauro Ieiri:
Eu não tive muito contato com os criadores daqui, mas foram muito atenciosos e ficaram contentes em eu levar a raça para o Brasil.

Criador On-line: Como é a cinofilia japonesa? É forte e organizada?
Mauro Ieiri:
Pelo que leio nas revistas especializadas, é bem organizada.

Criador On-line: Como é a criação japonesa dos Spitz em relação à criação brasileira e a européia?
Mauro Ieiri:
A criação do Japanese Spitz, não é muito forte aqui. É estranho, a maior criação de Japanese Spitz está centralizada na América do Norte, como também na Finlândia e Austrália. Em relação à criação brasileira, eu, como introdutor da raça, vou divulga-lo bastante. Isto porque acho que os brasileiros vão gostar pois não são cães nem muito pequenos e nem muito grandes, além de serem bons companheiros. Na América do Norte, usam muito o Japanese Spitz para o agility, que é o meu segundo plano: o de introduzir a raça no Agility do Brasil.

Criador On-line: O que pensa a respeito da cordotomia.
Mauro Ieiri:
Eu acho um absurdo, pois se o dono quer ter um cão que não late, compre um de pelúcia.

Criador On-line: O cidadão japonês adora cães como nós brasileiros?
Mauro Ieiri:
Aqui eles são tratados melhor que gente, tem de tudo para cães, e eles fazem até aqueles santuários japoneses para o cachorro que morre.

Criador On-line: Há muitos cães abandonados como aqui no Brasil?
Mauro Ieiri:
Não, aqui você não vê um cão sequer na rua, nesse ponto o Japão é muito bom. Aqui eles respeitam o animal, levam seus cães todo dia para passearem e sempre levam o saquinho para colocar as fezes, é tudo muito limpo.

Criador On-line: Foi possível fazer boas aquisições no Japão? Qual é seu critério para a compra dos cães no exterior?
Mauro Ieiri:
Sim, eu vejo a estrutura e a aparência do cão conforme a raça.

Criador On-line: Quais cães você trouxe para o Brasil?
Mauro Ieiri:
Eu levei do Japão dois Malteses Machos, que já estão no Brasil (Kevin e Alan) e estou levando em abril, mais uma fêmea de Maltês que se chama Yuki. Já levei três Japanese Spitz, Ryuuchi (macho) e duas fêmeas (Emili e Arisa). Os três já são Jovens Campeões e continuam suas campanhas a partir de fevereiro.

Criador On-line: O que leva você a importar cães? Acredita que o brasileiro dê mais valor para cães de países estrangeiros?
Mauro Ieiri:
Na minha opinião, sim. Eles vêem que é importado e dão mais valor, e sobre o Japanese Spitz, eu importei porque a raça é japonesa e que não tinha no Brasil.

Criador On-line: A importação ou exportação de cães é muito burocrática? Onde se encontra mais dificuldade?
Mauro Ieiri:
É meio burocrático sim. Você tem que levar vários documentos (atestado de vacina, de saúde e pedigree) junto com o cão ao Serviço de Quarentena, pegar um certificado e depois leva-lo ao Consulado do Brasil e em seguida na Secretaria da Agricultura. No dia da partida do cão tem que levar mais uma vez ao Serviço de Quarentena para ver se o cão está bem.Criador On-line: Você acha que as companhias aéreas são zelosas no transporte de animais?
Mauro Ieiri: Acho que sim, pois todos os cães que importei chegaram bem.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Eu como iniciante na cinofilia Brasileira pretendo dar de tudo para aprimorar as raças que crio e principalmente a raça Japanese Spitz para que ela seja bem aceita pelos brasileiros, fazendo inclusive bastante divulgação em vários veículos de comunicação.

Agradeço muito ao Criador on-line por essa oportunidade.

Muito obrigado!

 

Voltar ao Início



Jornalista Responsável
Anita dos Santos Gambardella
RP 16.654/SP


Perfil do Entrevistado


Mauro Ieiri é técnico em contabilidade e profissional autônomo. Cria cães desde 1999 e fundou seu canil em São José do Rio Preto, interior paulista, em 2001.

Ele tem por objetivo na criação o aperfeiçoamento incessante das raças Yorkshire, Maltês e Japanese Spitz.

É proprietário de vinte e dois cães divididos entre Yorkshires, Malteses e o pioneiro Spitz Japonês. Ieiri costuma importar cães com freqüência para seu incrementar seu plantel.

Também coloca seus cães para participar de exposições cinófilas já tendo obtido diversos prêmios.

Introduzirá o Japanese Spitz no agility no Brasil, modalidade esta onde a raça participa com grande destaque no Estados Unidos.



E-mail para contatos:
littleyokohamakennel@hotmail.com

Website
www.littleyokohamakennel.com

Fotos cedidas pelo Criador

 


EMILY  

 


EMILY  

 


RYUUCHI OF MARUKO  
NOMURA JP  

 


RYUUCHI FILHOTE  

 


RYUUCHI FILHOTE  

 


KIM  

 


KIM  

 


YUKI  

 

 

PW67-23439